Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Cuia Café

Tipos de Restaurantes: Brasileiros

VejaSP:

Endereço: Avenida Ipiranga, 200 - Edifício Copan, loja 48 - Centro - São Paulo - SP ver no mapa

Telefone: (11) 931007700

Site: instagram.com/cuia_cafe

Horário:

segunda-feira - Fechado

terça-feira 10:00 - 22:00

quarta-feira 10:00 - 22:00

quinta-feira 10:00 - 22:00

sexta-feira 10:00 - 22:00

sábado 10:00 - 22:00

domingo 11:00 - 18:00

Faixa de preço: De R$141,00 a R$210,00

Informações adicionais: Entrega em domicílio, Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (30), Levar vinhos (permite) (R$ 80,00)

Resenha por Arnaldo Lorençato

Depois de fechar o Clandestino, na Vila Madalena, Bel Coelho está de volta. A chef assina o cardápio do Cuia Café, integrado à ótima livraria Megafauna, de Fernanda Diamant, no térreo do Copan, edifício cartão-postal de Oscar Niemeyer e Carlos Lemos. Digo que Bel assina porque, mesmo quando a cozinheira não está por lá, uma equipe afinada consegue reproduzir com excelência os pratos criados por ela, como no dia da minha visita — são receitas nas mesas que se esparramam do salão para a calçada em frente ao restaurante. Bel mostra um Brasil contemporâneo de receitas com ingredientes orgânicos de pequenos produtores. Em tempos que se aproximam das comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna, em 2022, pode-se definir a culinária de Bel como antropofágica. Em muitas de suas preparações, misturam-se técnicas de vários países com precisão. Vale lembrar que o sanduíche, criação de um inveterado jogador de cartas inglês de mesmo sobrenome, tem recheio de cogumelos grelhados e homus de pinhão, pasta de origem árabe tradicionalmente feita com grão-de-bico (R$ 31,00). No lugar de farinha de trigo para preparar o tempurá, a delicada fritura oriental, vai tapioca para empanar a lula e o molho para mergulhar os anéis sequinhos é um ponzu — normalmente de yuzu ou de uma mistura de laranja e limão — feito com caju. Custa R$ 39,00. Escoltam o peixe do dia a salada de feijão-manteiguinha, farinha d’água e molho de tucupi (R$ 65,00). A costelinha de porco no melaço de cana, dourada e deliciosa, recebe a parceria de canjiquinha, cogu- melos e acelga bok choy (R$ 68,00). Uma tradição da doçaria portuguesa, o toucinho do céu (R$ 30,00) passa longe da amêndoa. É feito com castanha de sapucaia, típica da Mata Atlântica e da Amazônia, e se complementa com creme aromatizado pela semente amazônica puxuri e laranja (R$ 26,00). São acertos que vão da entrada à sobremesa.

Informações checadas em agosto de 2021. 

 

    Depois de fechar o Clandestino, na Vila Madalena, Bel Coelho está de volta. A chef assina o cardápio do Cuia Café, integrado à ótima livraria Megafauna, de Fernanda Diamant, no térreo do Copan, edifício cartão-postal de Oscar Niemeyer e Carlos Lemos. Digo que Bel assina porque, mesmo quando a cozinheira não está por lá, uma equipe afinada consegue reproduzir com excelência os pratos criados por ela, como no dia da minha visita — são receitas nas mesas que se esparramam do salão para a calçada em frente ao restaurante. Bel mostra um Brasil contemporâneo de receitas com ingredientes orgânicos de pequenos produtores. Em tempos que se aproximam das comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna, em 2022, pode-se definir a culinária de Bel como antropofágica. Em muitas de suas preparações, misturam-se técnicas de vários países com precisão. Vale lembrar que o sanduíche, criação de um inveterado jogador de cartas inglês de mesmo sobrenome, tem recheio de cogumelos grelhados e homus de pinhão, pasta de origem árabe tradicionalmente feita com grão-de-bico (R$ 31,00). No lugar de farinha de trigo para preparar o tempurá, a delicada fritura oriental, vai tapioca para empanar a lula e o molho para mergulhar os anéis sequinhos é um ponzu — normalmente de yuzu ou de uma mistura de laranja e limão — feito com caju. Custa R$ 39,00. Escoltam o peixe do dia a salada de feijão-manteiguinha, farinha d’água e molho de tucupi (R$ 65,00). A costelinha de porco no melaço de cana, dourada e deliciosa, recebe a parceria de canjiquinha, cogu- melos e acelga bok choy (R$ 68,00). Uma tradição da doçaria portuguesa, o toucinho do céu (R$ 30,00) passa longe da amêndoa. É feito com castanha de sapucaia, típica da Mata Atlântica e da Amazônia, e se complementa com creme aromatizado pela semente amazônica puxuri e laranja (R$ 26,00). São acertos que vão da entrada à sobremesa.

    Informações checadas em agosto de 2021.