Ambar (Desde 2016)

Tipos de Bares: Chope e cerveja
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars
Endereço: Rua Cunha Gago, 129 - Pinheiros - São Paulo - SP ver no mapa
Telefone: (11) 30311274
Horário:
segunda-feira
12:00 - 16:00
terça-feira
12:00 - 00:00
quarta-feira
12:00 - 00:00
quinta-feira
12:00 - 01:00
sexta-feira
12:00 - 01:00
sábado
12:00 - 01:00
domingo
Fechado
payment

Formas de pagamento

Cartões de crédito: Visa, Mastercard, Diners e American Express
Cartões de débito: Visa Electron, Rede Shop e Maestro

check_circle

Informações adicionais

Lugares/Capacidade total (62)

Resenha por Saulo Yassuda e Gabrielli Menezes

É comum o pessoal pedir aos atendentes ajuda para escolher um dos quinze tipos de chope — uma provinha é oferecida para o “test drive”. A variedade da bebida muda sempre, com barris que costumam trazer líquidos de produção pequena de cidades próximas à capital. As taças e copos, feitos de vidro mais fino, agradável na hora de bebericar, são preenchidos de chopes como o Coruja (R$ 16,00, 310 mililitros), um lager feito em Porto Alegre, e o Campinas IPA, produzido no interior (R$ 16,00, 300 mililitros). Cervejeiros que gostam de levar a bebida para casa podem optar por duas formas: no garrafão growler ou numa lata fechada na hora.

Informações checadas em setembro de 2018.

    TEM CHOPE NO DRINQUE

    Nem todas as cervejas que descem das torneiras do Ambar vão direto para a mão do cliente. Desde o início de maio, algumas delas fazem uma parada no bar, onde entram em drinques. Um exemplo é o ipa lelê (R$ 29,00), com rum branco, licor de lichia, manga, pimenta e, como entrega o nome, chope IPA. Balanceado, o coquetel traz à boca todos os ingredientes da fórmula. A nova carta também tem misturas com outras bebidas. Além de ginstônicas e caipirinhas, há criações como a que combina saquê, cranberry, purê de framboesa, hortelã, hibisco, limão e espuma de gengibre (R$ 26,00). Parece suco de tão levinha.

    (Por Gabrielli Menezes)

    Informações checadas em maio de 2019. 

    Comer e beber

    • 2018 - Indicado

      Chope Comer & Beber .

      É comum o pessoal pedir aos atendentes ajuda para escolher um dos quinze tipos de chope — uma provinha é oferecida para o “test drive”. A variedade da bebida muda sempre, com barris que costumam trazer líquidos de produção pequena de cidades próximas à capital. As taças e copos, feitos de vidro mais fino, agradável na hora de bebericar, são preenchidos de chopes como o Coruja (R$ 16,00, 310 mililitros), um lager feito em Porto Alegre, e o Campinas IPA, produzido no interior (R$ 16,00, 300 mililitros). Cervejeiros que gostam de levar a bebida para casa podem optar por duas formas: no garrafão growler ou numa lata fechada na hora. (Informações checadas em setembro de 2018.)

      Saulo Yassuda e Gabrielli Menezes

    • 2017 - Indicado

      Chope Comer & Beber .

      Os chopes desta casa têm frescor de fazer inveja a muito bar. O segredo? Manter apenas quinze bicos na chopeira, sempre ligados a barris diferentes, que ficam conservados em área refrigerada. As bebidas são servidas em copos de três tamanhos: 200, 310 e 500 mililitros. Nacionais, os títulos variam constantemente. Pode surgir, por exemplo, a Perro Libre Rye Black IPA (R$ 18,00, 200 mililitros), para os fãs de cerveja negra. Uma boa ideia para petiscar, o fish and chips traz iscas de tilápia com um empanado leve e batatas fritas. Custa R$ 29,00. (Preços checados em setembro de 2017).

      Saulo Yassuda e Fábio Galib

    • 2016 - Vencedor

      Bares chope Comer & Beber .

      Escondido do visitante, um espaço a 1 grau negativo conserva os barris. Pelas mangueiras ligadas a eles passam os chopes até as quinze torneiras, desmontadas duas vezes por mês para a higienização. Uma mistura de gases turbinada com nitrogênio ajuda na extração de algumas das bebidas, deixando-as mais cremosas. É desses bastidores que provém um chope de qualidade — não importa o tipo. A postos, os donos do bar, Fabio Comolatti e Julia Fraga, desdobram-se para mudar sempre as opções da lousa e equilibrar novidades com queridinhos do público. O casal elaborou até uma planilha com o que entra e sai. “Mas, na correria, anotamos em todo lugar: no celular, em papelzinho na bolsa...”, diverte-se a proprietária. (Preços checados em setembro/outubro de 2016.)

      Saulo Yassuda e Fábio Galib

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá,

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google

    Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s