Clique e assine por apenas 6,90/mês

Lima Duarte lança canal no YouTube e fala sobre protestos antirracistas

Ator de 90 anos de idade criticou depredação de uma estátua

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 17 jun 2020, 14h03 - Publicado em 17 jun 2020, 14h02

O ator Lima Duarte postou nesta quarta-feira (17) o primeiro vídeo no seu canal do YouTube. O ator global começa a postagem brincando com a quantidade de transmissões ao vivo que tomaram conta da rede na pandemia: “não, não se assuste, não é mais uma live. Eu tenho medo de abrir a geladeira e sair uma live lá de dentro”, comenta aos risos.

No vídeo, intitulado O brado de Lima Duarte em memória do Padre Antônio Vieira, o ator fala sobre a depredação de uma estátua do padre durante um protesto na cidade de Lisboa, em Portugal, no dia 11 de junho. O monumento foi danificado com tinta vermelha e grafitado por manifestantes, que fazem parte dos atos antirracistas que tomaram conta do mundo após a morte de George Floyd, nos Estados Unidos, e a onda europeia de derrubada de monumentos que relembram figuras do passado escravagista.

“Esse pessoal que está gritando contra o racismo, precisa fazer isso. A nossa herança católica escravagista precisa ser passada a limpo. Realmente eu acho, mas cuidado para não cometer uma espantosa iniquidade, como foi essa de apedrejar, quererem destruir a imagem do Padre Antônio Vieira. Isso é de uma ignorância espantosa!”, critica o ator.

Pelos próximos 16 minutos ele fala sobre a histórica do padre, e critica a depredação do monumento com um argumento similar ao usado pelo presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. “O padre nasceu em 1608, não pode julgar as pessoas dessa época com os parâmetros de hoje”, diz Lima. “Foi um grande diplomata, um homem progressista aquela altura, perseguido pelos colonos portugueses no Brasil, pela Inquisição. Foi um dos maiores escritores portugueses. Para a sua época, era um visionário”, defendeu também o presidente português durante coletiva de imprensa na segunda-feira (15), criticando o vandalismo. Confira o vídeo de Lima:

Continua após a publicidade

 

 

 

Publicidade