Clique e assine por apenas 6,90/mês

Com lei da gorjeta, estabelecimentos planejam aumentar o serviço

Quando receber a conta, vale conferir a taxa cobrada que deve saltar de 10% para 13% na maioria dos estabelecimentos

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 22 May 2017, 21h53 - Publicado em 22 May 2017, 21h30

Vale prestar mais atenção à conta quando estiver em um restaurante, bar ou até em uma padaria. Ela deve trazer uma taxa de serviço mais alta a partir de junho por causa da lei que regulamenta gorjeta.

Em alguns lugares, porém, esse aumento já começou. Nos estabelecimentos do restaurateur do ano por VEJA COMER & BEBER, Edrey Momo, essa diferença começa a ser cobrada nesta terça (23). “Elevaremos nosso serviço de 10% para 13%”, explica o empresário.

A majoração vale para os restaurantes Tasca da Esquina e Taberna da Esquina, além da Padaria da Esquina. “Com a nova lei, fomos obrigados a reter 30% da gorjeta para pagar os encargos”, afirma. A solução, segundo Momo, é subir a caixinha para 13%, para não reduzir o valor ganho pela brigada no fim do mês. Outros estabelecimentos da capital paulista dever elevar a taxa para a clientela a partir de junho, ainda que não haja uma data definida para a prática começar.

Esse aumento, decorre do texto sancionado pelo presidente Michel Temer no último dia 13 para regulamentar a divisão de gorjetas em restaurantes e bares. Ela constará na carteira profissional do garçom, porém parte do dinheiro ficará retida no estabelecimento para que os empresários paguem os encargos em até 33%. Antes, não havia uma norma precisa nessa divisão.

Continua após a publicidade

É sempre bom lembrar que para o cliente, o pagamento da taxa continua facultativo.

 

Publicidade