Clique e assine por apenas 6,90/mês

Diogo Sevilio vai representar o Brasil na final do World Class

O bartender conquistou jurados e público com ingredientes artesanais e bom humor

Por Abril Branded Content - 31 jul 2017, 15h41
Diogo comemorando a vitória da etapa nacional da World Class 2017 Diageo/Divulgação

O bartender Diogo Sevilio venceu a etapa Brasil do World Class Competition, maior competição de bartenders do mundo, que aconteceu dia 06 de julho em um evento no Eataly Brasil, em São Paulo. Ele venceu justamente por inovar ao mesmo tempo em que buscou ao passado com a produção artesanal de ingredientes.

Agora, está de olho no futuro: a final mundial do World Class Competition, que acontece em agosto na Cidade do México, e na possibilidade de divulgar seu trabalho no Brasil e no mundo graças à sua conquista na maior competição de bartenders do planeta.

Havia duas vagas para os três países competidores (Brasil, Paraguai e Uruguai) e ele garantiu a do Brasil. “É muito importante essa visibilidade do World Class Competition porque aumenta o alcance da ideia que quero passar”, diz o paulistano, lembrando que seu lema é “a forma como o homem transforma o alimento transforma o homem”.

Depois de um treinamento com todos campeões latino-americanos na Colômbia, ele segue para a grande final no México. “Com certeza vai trazer ferramentas e uma visão diferente de trabalho”.

No dia a dia do Cozinha 212, Diogo usa frutas como o paulistaníssimo cambuci, semente cumaru, entre outros. Com um pequeno pomar em casa, ele colhe pitangas e limões, além de andar pela vizinhança recolhendo plantas para fazer seus experimentos.

Entre as 22 receitas que levou para a final em um caderno costurado à mão com capa de couro, destacou-se uma que recordou a relação ancestral do homem com o mar, misturando Talisker, um whisky single malt de mais de cem anos, com ostras. Com 13 anos de profissão, ele já tinha participado do campeonato no ano passado, mas não tinha ido à final.

Continua após a publicidade

Menos é mais

“Muita gente não bebe coquetel porque olha para aquelas coisas e fala ‘isso não é pra mim, eu sou muito simples’”, conta o bartender, cuja marca é ser direto no assunto e brincalhão. Apelidado de “Diogro” pela mãe, ele credita grande parte de sua vitória à sua autenticidade e ao seu carisma.

Essa foi a primeira vez em que a final do World Class Competition teve participação direta do público, que pôde torcer pelos nove finalistas brasileiros nos quatro desafios: três receitas autorais e velocidade de preparação de drinks. “Com o público, a adrenalina é outra”, diz.

Além disso, os consumidores puderam pela primeira vez participar de master classes, curtir a festa com o campeão, provar coqueteis preparados especialmente para o evento por vencedores anteriores e degustar harmonizações no food bar com a chef Lígia Karasawa.

Para Nicola Pietroluongo, embaixador da Diageo no Brasil, “Diogo pode fazer uma grande diferença no México, com drinks criativos, naturalidade e simpatia ele consegue envolver e conquistar o público”.

*Aprecie com moderação. Não compartilhe com menores de 18 anos.

Continua após a publicidade
Publicidade