Imagem Blog

Notas Etílicas - Por Saulo Yassuda

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O jornalista Saulo Yassuda cobre cultura e gastronomia. Faz críticas de bares na Vejinha há dez anos. Dá pitacos sobre vinhos, destilados e outros assuntos
Continua após publicidade

Bartender Zulu faz drinques com brasilidade no Candeeiro; leia a avaliação

Novo bar do restaurateur Milton Freitas (Antonietta) ocupa o espaço onde já funcionou o Obá e o Mamuang Thai House

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 jan 2022, 14h13 - Publicado em 29 mar 2019, 06h00

O número 205 da Rua Doutor Melo Alves já abrigou um restaurante de cozinha variada, o Obá, e outro de culinária tailandesa, o Mamuang Thai House, de vida breve.

Desde fevereiro, o espaço levanta a bandeira brasileira com a abertura do bar de drinques Candeeiro, do empresário Milton Freitas (Antonietta).

Maria bonita: drinque de cachaça, calda de maracujá com casca de cajueiro, óleo de laranja-baía com amburana e abacaxi (Roberto Seba/Divulgação)

Faixas de MPB no som e um painel de araras na parede pretendem escancarar a alma nacional. Mas nem é preciso. A carta do baiano Laércio Zulu já revela a brasilidade por si mesma.

Continua após a publicidade

Vale provar misturas como a maria bonita (R$ 27,00), de cachaça, calda de maracujá com casca de cajueiro, óleo de laranja-baía com amburana e abacaxi.

Candeeiro: deque para aproveitar drinques como primeiro fuxico, com rum nacional passado por jequitibá, vermute doce e vinho branco fortificado com ervas, defumado com especiarias e chá preto (Roberto Seba/Fernando Ctenas/Divulgação)

Coquetel já servido pelo bartender em outros endereços, o banzeiro (R$ 27,00) leva cachaça envelhecida em amburana, limão, toque de vinho tinto seco e espuma de gengibre.

Continua após a publicidade

Para sair da linha frutada e cítrica, o encorpado primeiro fuxico (R$ 27,00) une rum nacional passado por jequitibá, vermute doce e vinho branco fortificado com ervas, tudo defumado com especiarias e chá preto.

Acarajé: clássica pedida baiana servida no bar (Roberto Seba/Divulgação)

Embora saboroso, o clássico acarajé (R$ 16,00) carecia da crosta crocante. Uma alternativa é a moqueca de palmito e banana-da-terra (R$ 48,00 no jantar), antiga receita do Obá.

Continua após a publicidade

Avaliação: BOM (três estrelas)

Clique para conferir o cardápio:

Cardápio (Divulgação/Divulgação)

 

 

 

 

 

 

Quer mais dicas? Siga minhas novidades no Instagram @sauloy.

Leia também: Bar do Juarez tem rodízio de chope

E para não perder as notícias mais quentes que rolam sobre São Paulo, assine a newsletter da Vejinha. É só clicar aqui.

 
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.