Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

As memoráveis canetinhas Sylvapen

Produto era um objeto de desejo das crianças nos anos 70

Por Roosevelt Garcia Atualizado em 20 set 2017, 10h45 - Publicado em 20 set 2017, 10h09

Se o termo “sonho de consumo” fosse usado na década de 70, certamente ele seria aplicado ao objeto mais desejado pelas crianças daquela época: as canetinhas Sylvapen. Com elas, os pequenos foram apresentados ao maravilhoso mundo das canetas hidrocor e cada uma delas durava, segundo o fabricante, até 2 quilômetros de escritos.

Mas ninguém escrevia com elas, o que a turma fazia mesmo era pintar tudo o que via pela frente. Com cores muito mais vivas do que os apagados lápis de cor, colorir um desenho com Sylvapen garantia que ele ficaria visível a uma grande distância. Inclusive do lado oposto do papel!

O nome oficial era Sylvapen 100mm, mas todo mundo só chamava de “canetinha”. Elas foram lançadas em 1971 em estojos de seis e doze cores, e caíram rapidamente no gosto da molecada. Seu formato e tamanho lembravam muito um cigarro, e sua propaganda seria proibida nesses dias de “politicamente correto”: uma criança fingia estar “fumando” a caneta. Por conta disso, a canetinha de cor laranja era muito requisitada, pois sua tampa dessa cor lembrava o filtro do cigarro.

Anúncios da canetinha de 1971 Reprodução/Veja SP

 

Outra vedete do conjunto era a canetinha branca, que servia para “apagar” as outras cores, mas a verdade é que sua ponta branca logo era “contaminada” pelas outras cores, deixando a canetinha toda manchada.

Quando a canetinha de qualquer cor secava, a solução era simples: umas gotas de álcool e ela ganhava uma sobrevida de mais alguns rabiscos.

Mais tarde, foram lançadas duas novas embalagens: uma cartela com nada menos que vinte cores diferentes, para o deleite dos mais artistas (arteiros) daquela época, e uma embalagem especial que lembrava um maço de cigarros, pois a canetinha em si já lembrava o produto.

Continua após a publicidade

Embalagens especiais e estojos com 6, 12 e 20 cores Reprodução/Veja SP

 

Outro produto lançado pela Sylvapen naquele tempo foi uma mini etiquetadora chamada Sylvaletra, que também virou mania nas escolas. Era só inserir uma fita de PVC autocolante na máquina, girar o disco para escolher a letra, pressionar para gravar e formar as palavras. As fitas eram vendidas de diversas cores diferentes.

A etiquetadora Sylvaletra – uso constante nas escolas Reprodução/Veja SP

 

Quanto às canetinhas, elas não foram mais fabricadas no Brasil depois dos anos 80, mas ainda é possível encontrar produtos da mesma marca em países da América Latina, com formato totalmente remodelado. Não são mais as lendárias 100mm.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)