Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Liquidação e Cia. Por Daniela Giorno A diretora de arte Daniela Giorno dá dicas de compras, promoções, achados e lojas.

Quem fez sua roupa? Essas novas etiquetas com fotos te informam

Em busca de transparência na cadeia produtiva, marcas investem em selos que indicam os responsáveis pela produção das peças

Por Carolina Moraes 13 abr 2018, 14h56

Transparência e ética na cadeia de produção não são regras no mundo da moda. Das 119 empresas monitoradas pelo aplicativo Moda Livre, ferramenta da Repórter Brasil que mostra o comprometimento das marcas no combate à exploração de mão-de-obra, apenas 22 são sinalizadas como tendo mecanismos adequados.

Se por um lado, algumas lojas perpetuam um trabalho precarizado na indústria têxtil, outras fazem desse cenário um motor para pensar suas propostas. Na busca por transparência da produção, sete marcas comercializadas na cidade investem em nomear costureiros, modelistas e outros funcionários responsáveis pela produção na própria etiqueta de seus produtos.

Na Casa Jardim Secreto e na D.A.M.N Project, conhecidas por reunirem etiquetas de proposta sustentável, cinco assumiram esse compromisso. A coleção Wasteless #01, parceria entre a Tanden e a D.A.M.N, apresenta fotos Polaroid nas peças. O investimento não é baixo, mas para Camilla Marinho, uma das donas do espaço, se trata de agregar valor ao produto.

A peça acaba vindo mais cara, mas é justamente nessa questão que temos que reeducar o consumidor. Não há a necessidade de se ter 1000 modelos, basta um atemporal”, explica. Mudha, Jezebel, Project Tres e Gávea são outras empresas com método similar.

Peças da Tanden e D.A.M.N foram pensadas para ter o menor impacto ambiental possível Divulgação/Veja SP

A iniciativa faz parte de um movimento maior de conscientização. Uma dos maiores representantes dessa mudança de comportamento é a Fashion Revolution, organização londrina criada em 2013 após o desabamento do Rana Plaza, prédio em Bangladesh que concentrava fábricas de grandes marcas têxteis que deixou mais de 1 000 mortos.

Continua após a publicidade

Fernanda Simon, coordenadora do braço brasileiro da ONG, percebeu o surgimento exponencial de empresas que se preocupam com o impacto social e ambiental e muitas já existentes se movimentando para se tornarem mais limpas. A partir do mote “quem fez minhas roupas?”, Simon explica que além de incentivar empresas e consumidores a olhar para os processos de produção, também se celebram os agentes por trás das peças. “Eles se sentem valorizados, reconhecidos.”

Pioneira: empresa inglesa Lush produz as etiquetas há mais de vinte anos Divulgação/Veja SP

Além das marcas vendidas em hubs de moda sustentável, grifes com lojas próprias na capital também investem na iniciativa. A Três, queridinha carioca que chegou a São Paulo em novembro do ano passado, tem fabricação própria desde sua criação. Em agosto de 2017, passou a produzir as etiquetas com o rosto e nome do responsável.

A Lush, rede inglesa de cosméticos, é a pioneira no assunto. Há mais de vinte anos, as embalagens levam uma etiqueta estampada com um avatar, nome de quem fez o produto e data exata da produção.

Marcas
Mudha: www.mudha.com.br
Jezebel: www.atelierjezebel.com.br
Project Tres: www.project-tres.org
Lush: br.lush.com
Loja Três: www.lojatres.com
Tanden: tandenatelier.com.br
Gávea: venda na D.A.M.N Projetc

Endereços
Casa Jardim Secreto: Rua Conselheiro Carrão, 374, Bela Vista
D.A.M.N Project: Rua Joaquim Antunes, 1026, Pinheiros

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)