Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Quatro práticas para lidar melhor com os excessos

O especialista em bem-estar Rodrigo de Aquino ensina como equilibrar as atividades diárias e, assim, viver mais feliz

Por Rodrigo de Aquino, em depoimento a Helena Galante Atualizado em 10 fev 2022, 19h11 - Publicado em 11 fev 2022, 06h00

Normalizamos os excessos e nos acostumamos com a lógica do “quanto mais, melhor”. O acúmulo tornou-se um sinônimo de sucesso e satisfação. Recentemente, o excesso de compromissos tomou a forma de status e poder: faltar a uma festa da família ou a uma apresentação na escola do filho e ter mais de 500 e-mails não respondidos tornou-se comum. Para alguns, um aparente orgulho. Para outros, uma dor a ser engolida, sem espaço para questionar ou desabafar.

Esses abusos se acomodaram em nossa cultura, gerando microviolências diárias e fazendo com que chegássemos até aqui, como diz o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, na sociedade do cansaço. Entrando no terceiro ano de pandemia, não sabemos como agir ou elencar prioridades e perdemos, por mais um ano, a desculpa perfeita para procrastinar: “começo depois do carnaval”. Em 2022, tudo leva a crer que a grande festa popular só vai acontecer em abril. Será que podemos esperar até lá para começar o ano e fazer tudo o que deve ser feito?

+SP anuncia 40 mil vagas de qualificação profissional para jovens

Há questões complexas. Ao mesmo tempo que estamos dentro do filme Feitiço do Tempo, vivendo todos os dias as mesmas coisas, também vemos um mundo caótico. Tornamos a desordem algo comum, deixando a felicidade em segundo plano, entendendo esse objetivo universal como algo supérfluo. Dedicamos tempo, pensamentos e emoções para lidar com a desordem, mas esquecemos de separar parte dos dias para zelar pela nossa saúde mental, nosso bem-estar e por aquilo que realmente faz sentido para cada um de nós.

A forma como nos dedicamos aos nossos compromissos profissionais, pessoais e sociais, isto é, o tempo, é uma das dimensões avaliadas pela metodologia FIB (Felicidade Interna Bruta) e pela ONU, na criação do World Happiness Report, relatório anual que avalia as condições de felicidade no mundo. Com isso, podemos dizer que a felicidade que buscamos passa pela gestão do tempo. Para lidar melhor com a combinação excesso e velocidade, blindando ou diminuindo o impacto dos turbilhões que cercam o nosso dia a dia, sugiro algumas práticas.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

1. Pratique exercícios de respiração ou mindfulness e valorize o tempo presente. Além de ajudarem a ter foco e melhorar na resolução dos problemas, essas práticas trazem mais agilidade mental e criatividade.

2. Use e abuse dos calendários e dos planners. Organize sua agenda, seus compromissos e prioridades. Isso pode ajudar a diminuir sua ansiedade e a cumprir seus objetivos, gerando a sensação de dever cumprido, realização e autoestima. Lembre-se: quem tem mais de uma prioridade não tem nenhuma! Para completar, todas as vezes que realizar uma tarefa, celebre e valorize as pequenas conquistas diárias.

+“Queriam erotizar o que a gente tinha”, diz filho adotivo de Milton Nascimento

Continua após a publicidade

3. Busque o caminho do meio. Para as neurociências, a felicidade mora na homeostase, o estado biológico de equilíbrio relacionado ao bem-estar. Para a metodologia FIB e para a ONU, a felicidade é possível quando diversas dimensões estão ajustadas. Para a psicologia positiva, a felicidade floresce no estado das virtudes, isto é, quando encontramos o caminho do meio.

4. Por fim, deixe as virtudes mais presentes em sua vida. Crie espaço na sua agenda a partir de escolhas sábias, corajosas, justas e amorosas. Permita-se que a surpresa invada sua vida e quando não conseguir resolver tudo, busque na humildade e no autocontrole a base para administrar o dia a dia e aceitar que nem sempre é possível resolver tudo.

Esses sempre serão bons companheiros na sua busca pela tal felicidade.

Retrato de Rodrigo de Aquino, um homem branco e de cabelos escuros, que usa uma camisa jeans.
Rodrigo de Aquino (@rodrigodeaquino) é comunicólogo e especialista em bem-estar. Divulgação/Divulgação

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 16 de fevereiro de 2022, edição nº 2776

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)