Clique e assine por apenas 6,90/mês

Transporte público funciona parcialmente em SP em dia de greve geral

A pauta principal da greve geral, segundo as centrais, é manifestar repúdio à proposta de reforma da Previdência

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 14 Jun 2019, 10h59 - Publicado em 14 Jun 2019, 09h19

A greve geral convocada por centrais sindicais de todo o país contra a reforma da Previdência afeta parcialmente o transporte público em São Paulo nesta sexta-feira, 14.

A Justiça concedeu liminar que obriga o funcionamento dos transportes. Agora pela manhã, os ônibus circulam com 97% da frota, segundo a SPTrans. Os 29 terminais municipais estão em operação. A CPTM opera normalmente e o Metrô tem circulação parcial em algumas linhas.

A pauta principal da greve geral, segundo as centrais, é manifestar repúdio à proposta de reforma da Previdência. 

O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, afirmou que a expectativa para a greve é que os trabalhadores da categoria de transportes mantenham a adesão. “A liminar é esdrúxula, vai contra a Constituição. Os trabalhadores decidiram por ela. Eles vão enfrentar a greve apesar disso”, disse. 

Continua após a publicidade

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves Juruna, ressalta que a convocação à greve não é só para o setor de ônibus, metrô e trem. Segundo ele, engloba todas as categorias. “Não estão fazendo greve para prejudicar a população. Não há motivo para gastar combustível e eletricidade se o povo não vai trabalhar. Com todo respeito aos juízes, foi precipitada a decisão.” 

A Prefeitura de São Paulo manteve o rodízio de veículos, assim como as restrições a veículos fretados e às zonas azuis, e informou que a situação do trânsito será monitorada durante todo o dia.

Publicidade