Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

“É um silêncio que não fazia parte da minha vida há sete anos”, diz Thales

Marido de Paulo Gustavo falou sobre a falta que o companheiro faz e como tenta explicar para os filhos sobre a perda

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 10 Maio 2021, 11h22 - Publicado em 10 Maio 2021, 11h08

Marido do ator Paulo Gustavo, o médico dermatologista Thales Bretas concedeu sua primeira entrevista após a morte do humorista, que morreu na última terça-feira (4) em decorrência de Covid-19. “Essa ausência é avassaladora. É um silêncio que não fazia parte da minha vida há sete anos”, diz no começo da conversa com Renata Capucci, do Fantástico. A entrevista foi ao ar no último domingo (9).

Relembrando bons momentos, Thales contou como conheceu Paulo Gustavo. “A gente se conheceu numa festa, no Rio de Janeiro. Um dos meus melhores amigos conhecia Paulo. Ficamos lá, curtindo, bebendo, e depois demos nosso primeiro beijo. Ali ele já era famoso, tinha medo de beijar em público. Depois tivemos a sensação de ter feito algo errado”.

Após voltar para casa, o médico ficou com o boné do futuro marido para que eles se encontrassem mais vezes. Ele conta que teve medo de se relacionar com alguém famoso e propôs que fossem só amigos. “Quer ser amigo? Vamos ser amigo, tranquilo. Mas ele (Paulo) falou sabendo que queria algo a mais. No fundo ele sabia que ia me conquistar ainda”.

Casados, os dois tiveram dois filhos através da barriga de aluguel. Romeu e Gael, os dois gêmeos ainda com menos de dois anos de vida, são um escape para Thales do silêncio que há na casa. “São os dois frutos do nosso amor. Eu vou levar para sempre, e vou amá-los por nós dois. Eu sei que de onde ele estiver, ele vai tá amando os dois também. Como eu queria que ele passasse os valores que ele tem. Paulo era uma das pessoas mais integras que conhecia na minha vida. Generoso e protetor”.

Ao conversar com os filhos, ele tenta explicar de que o ‘papai Paulo’ virou uma estrela no céu. “Eles sempre pedem para ver o papai Paulo. Eles me chamam de papai Tata e ele de papai Paulo. Eu avisava que papai Tata ia no hospital e que papai Paulo ta dodói. Agora, estou tentando explicar que o papai Paulo não está mais dodói, que virou uma estrelinha e está olhando lá de cima para a gente”.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade