Clique e assine por apenas 6,90/mês

É preso o segundo envolvido em assassinato de ambulante no metrô

Alípio Rogério Belo dos Santos foi encontrado após uma denúncia

Por Adriana Farias - Atualizado em 28 dez 2016, 15h17 - Publicado em 28 dez 2016, 13h59

Foi preso na tarde desta quarta (28) o segundo suspeito de agredir até a morte o ambulante Luiz Carlos Ruas na estação Dom Pedro II do metrô, no centro de São Paulo.

Alípio Rogério Belo dos Santos, de 26 anos, foi encontrado em uma Cohab em Itaquera, na Zona Leste, após uma denúncia. O homem foi encaminhado para a delegacia do metrô da Barra Funda, onde estão testemunhas para realizar o reconhecimento.

O outro envolvido no crime, Ricardo do Nascimento, 21, também foi preso na noite desta terça (27) em uma favela em Vinhedo, interior de São Paulo.

Ao desembarcar da viatura policial, conforme veiculado pelo canal Globo News, o criminoso relatou aos jornalistas que estava arrependido e que cometeu o ato porque havia consumido muita bebida alcoólica. “Tô arrependido, cara, arrependido”, disse. “A gente estava alterado, cachaça. Não justifica, o certo é a gente pagar.”

Ricardo Nascimento é conduzido para a delegacia (Foto: Reprodução/Globo News)
Ricardo Nascimento é conduzido para a delegacia (Foto: Reprodução/Globo News)

A polícia ofereceu uma recompensa de 50 000 reais para quem desse pistas de onde encontrá-los. Mais de trinta agentes estavam envolvidos nas buscas. “Finalmente conseguimos capturá-los”, disse a VEJA SÃO PAULO o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, diretor do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decade).

A Justiça havia expedido na manhã de terça mandado de prisão temporária contra a dupla de agressores pela acusação de envolvimento com o crime. A decisão atendeu a pedido da polícia que o identificou com um dos autores da agressão; a dupla poderá ficar presa inicialmente por até trinta dias.

Segundo o delegado, um dos suspeitos estava urinando próximo da estação de metrô Dom Pedro II quando foi repreendido por uma travesti. “Iniciou-se uma discussão e logo os dois suspeitos começaram com as agressões”, disse. Ruas tentou apartar a briga, mas acabou agredido até a morte no último domingo (25).

Luiz Carlos Ruas, de 54 anos, foi agredido até a morte na noite de Natal, após defender uma travesti e um homossexual, ambos moradores de rua (Foto: Reprodução)
Luiz Carlos Ruas, de 54 anos, foi agredido até a morte na noite de Natal, após defender uma travesti e um homossexual, ambos moradores de rua (Foto: Reprodução)

O advogado da dupla, Marcolino Nunes Pinho, disse à polícia que não foi caso de homofobia e sim uma briga porque um dos rapazes teve o aparelho celular furtado por um grupo de pessoas na entrada da estação. A reportagem não conseguiu contatar Pinho.

Uma manifestação promovida por ativistas LGBT e religiosos tomou conta da estação de metrô Dom Pedro II na tarde desta terça (27), com o objetivo de reivindicar justiça pela morte do ambulante.

Continua após a publicidade
Publicidade