As pizzarias mais antigas em atividade num mesmo ponto em São Paulo

A Castelões, por exemplo, atende desde 1924 no Brás

Se a pizza de são Paulo é a melhor do mundo, como muita gente diz, há controvérsias. Mas não existe dúvida de que o amor do paulistano pela receita nascida em Nápoles é bem antigo, de mais de um século. Atualmente, pipocam pela capital endereços moderninhos que servem as pedidas — muitas delas, curiosamente, feitas à maneira tradicional napolitana, em tamanho individual e de longa fermentação —, porém continuam em operação pizzarias antigas que preparam os discos à moda paulistana. Conheça a seguir esses pioneiros da cidade que estão até hoje em atividade num mesmo ponto.

Speranza

Consta que a speranza foi a primeira pizzaria na cidade a servir a margherita. A casa, fundada em 1958 no Brooklin, mudou-se em 1961 para a região do Bixiga, onde permanece a matriz.

Bruno 

A marca está no mesmo ponto desde 1939, mas foi crescendo (e como!). Atualmente, passa por mais uma reforma. Um dos sucessos do menu é a pizza de camarão com catupiry. Largo da Matriz de Nossa Senhora do Ó, 87, Freguesia do Ó, ☎ 3932-2261.

Castelões: a casa no Brás é tida como a mais antiga pizzaria em funcionamento em São Paulo

Castelões: a casa no Brás é tida como a mais antiga pizzaria em funcionamento em São Paulo (Ricardo D'Angelo/Veja SP)

Castelões

Atende desde 1924 no Brás e é tida como a mais antiga casa do ramo em funcionamento na metrópole. Itens como os antepastos mantidos refrigerados nem sempre são bem cuidados. Uma pena. Mas ainda dá para encontrar uma boa pizza de calabresa com mussarela, clássico local.

Monte Verde: a marca é mantida pela família de um dos fundadores, Apparecido Godoy

Monte Verde: a marca é mantida pela família de um dos fundadores, Apparecido Godoy (Clayton Vieira/Veja SP)

Monte Verde 

O endereço, de 1956, que resiste no Bom retiro em meio a uma multiplicação de restaurantes coreanos, é um dos “culpados” por fazer a pizza de massa fina virar pop, com sabores como abobrinha com mussarela e parmesão. Continua nas mãos da família de um dos fundadores, Apparecido Godoy, morto em 1992.

Camelo: antes de servir pizzas, a casa era um restaurante árabe

Camelo: antes de servir pizzas, a casa era um restaurante árabe (Wellington Nemeth/Veja SP)

Camelo

Hoje a rede está em diferentes cantos da capital, mas a unidade pioneira nasceu em 1957, no Jardim Paulista. E, quem diria, era um restaurante árabe antes de começar a servir os discos de massa fina, responsabilidade até hoje do pizzaiolo Antônio Macedo, de 77 anos, o mais velho em atuação na cidade.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 11 de dezembro de 2019, edição nº 2664.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s