Clique e assine por apenas 6,90/mês

Mulher morre após procedimento estético com dentista no interior

Polícia Civil investiga suspeita de homicídio no caso envolvendo Silmara Regina Rodrigues, de 45 anos

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 14 Feb 2020, 15h53 - Publicado em 25 Oct 2019, 19h29

A Polícia Civil investiga a morte de uma mulher de 45 anos que faleceu após ter passado mal durante um procedimento estético em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública, Silmara Regina Rodrigues teve complicações após ter sido submetida a um procedimento cirúrgico em uma clínica odontológica. O caso foi registrado como homicídio pelo 1°DP da cidade.

A mulher chegou a ser socorrida no Hospital de Base, no dia 8 de outubro. Silmara ficou onze dias internada, mas não resistiu e faleceu no sábado (19). A morte da mulher foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital.

“A paciente foi atendida no Hospital Base no dia 8, com quadro clínico grave devido a paradas cardiorrespiratórias”, diz a nota.

Continua após a publicidade

Segundo reportagem publicada pelo UOL, Silmara teria recorrido ao consultório odontológico de uma sobrinha para fazer a retirada do excesso de gordura sob o queixo.

Ela deixa o marido e dois filhos. O mais velho, Guilherme Cesar Rodrigues, postou várias fotos com a família. Junto com as imagens, escreveu um texto indignado com a forma que a mãe morreu.

É mamae… vc se foi e foi tão rapido, tão derrepente, não deu tempo nem de me despedie direito, nao sei pq Deus te…

Continua após a publicidade

Posted by Guilherme Cesar Rodrigues on Saturday, October 19, 2019

Em nota, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) sustentou que o “exercício ilegal” dessa atividade matou mais uma pessoa e cobrou providências das autoridades. “Quantas sequelas e mortes teremos mais? A SBCP não descansa um único dia em divulgar os fatos e exigir ações efetivas das autoridades competentes quanto ao exercício ilegal da medicina”, diz o texto. “Os casos crescentes envolvendo dentistas mostram o despreparo para tratamento de urgências, emergências, ministração de drogas, operacionalização de aparelhos, diagnóstico ou indicação de tratamento terapêutico.” 

+ OUÇA O PODCAST Cozinha do Lorençato

Publicidade