Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

As comoventes histórias de pacientes que moram em enfermarias e UTIs

A rotina, os dramas e as esperanças de oito pessoas que não podem deixar o hospital

Por Angela Pinho Atualizado em 5 dez 2016, 10h16 - Publicado em 11 out 2013, 20h43

Embora São Paulo tenha alguns dos mais conceituados centros de tratamento de saúde do país, os médicos daqui costumam seguir a mesma regra que vale para outras cidades: quanto menos tempo alguém ficar internado, melhor. Ainda assim, há duas situações em que não se pode dar alta ao paciente em um prazo muito curto. Na mais frequente delas, o doente precisa de supervisão 24 horas, aparelhos caros e tratamento longo, por causa do seu estado frágil de saúde. A outra é quando ele simplesmente não tem para onde ir depois de estar curado.

Há por aqui e nos arredores da capital alguns lugares especializados nesse tipo de atendimento, como o Auxiliar de Suzano (localizado no município homônimo, na região metropolitana). O Dom Pedro II, mantido pela Santa Casa de Misericórdia, foi projetado por Ramos de Azevedo e abriu as portas em 1911 no bairro do Jaçanã, na Zona Norte. Com capacidade para 500 internos, parece uma pequena cidade: tem capela, pracinha central e bancos com propaganda. Muitos ali já tiveram alta, mas vão ficando por falta de alternativa.

Em Mogi das Cruzes, a 63 quilômetros da capital, o hospital estadual Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti também recebe pacientes com esse perfil. Outros casos semelhantes encontram-se espalhados pelos demais hospitais das redes privada e pública. Conheça algumas dessas histórias comoventes:

+ Quarto em preto e branco

+ Namoro no jardim do hospital

Continua após a publicidade

+ O poliglota de Mogi

+ Doze anos na Santa Casa

+ O dia em que Gabi viu a lua

+ Em busca da família

+ A cura passo a passo

+ Os artistas do Hospital das Clínicas

Continua após a publicidade
Publicidade