Clique e assine por apenas 6,90/mês

Marmitas que mataram dois homens tinham veneno de rato, diz perícia

José Conceição e Vagner Oliveira morreram no dia 21 de julho em Itapevi; cachorro também foi vítima

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 31 jul 2020, 11h11 - Publicado em 31 jul 2020, 09h52

As marmitas entregues a dois homens em situação de rua que morreram em Itapevi, na grande São Paulo, tinha veneno de rato, constatou perícia da Polícia Civil. Outros dois adolescentes passaram mal após comer a comida e um cachorro, que também ingeriu o alimento, morreu. O caso aconteceu no dia 21 de julho.

Os dois homens eram José Luiz de Araújo Conceição, de 61 anos, e Vagner Aparecido Gouveia de Oliveira, de 37. O delegado Aloysio Mendonça agora investiga o que motivou as mortes e busca identificar quem foi o autor do crime.

Ele confirmou que o laudo do IML encontrou “terbufos, um componente altamente tóxico, usado na fabricação do famoso ‘chumbinho'” em algumas marmitas e no estômago do cão.

O laudo necroscópico deve confirmar a causa da morte por envenenamento. Após comer a marmita, os homens tiveram fortes dores de barriga e espumaram pela boca.

Publicidade