Clique e assine por apenas 6,90/mês

Duas pessoas em situação de rua morrem após comerem marmitas doadas

A Polícia trabalha com duas suspeitas: envenenamento ou alimentos estragados

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 23 jul 2020, 09h35 - Publicado em 23 jul 2020, 09h08

Dois homens em situação de rua morreram na madrugada de quarta-feira (22) após se alimentarem com marmitas doadas em Itapevi, na Grande São Paulo. De acordo com a prefeitura da cidade, um cachorro também ingeriu o alimento e morreu. A Polícia trabalha com duas suspeitas: envenenamento ou alimentos estragados.

Os sem-teto passaram mal quatro horas após ingerirem o alimento. Eles foram até a casa de um aposentado, vizinho ao posto onde permaneciam, e pediram ajuda. “Os rapazes foram me pedir ajuda, chamando meu portão, para que eu chamasse o Samu, para que socorresse um deles que estava passando mal, sentindo muita dor na barriga”, disse José Carlos Jacob.

Uma das vítimas é José Luiz de Araújo Conceição, de 61 anos. Ele estava nas ruas há cinco anos. A outra é Vagner Aparecido Gouveia de Oliveira, de 37 anos.

Um terceiro homem que também recebeu as marmitas levou-as para casa e entregou para a esposa, uma adolescente de 17 anos, e para o filho, de 11. A adolescente passou mal e chegou a ser entubada.

“Eu fiquei desesperada, minha filha entubada. Chegou vomitando, passando mal, com falta de ar, e já entubaram ela rapidamente”, disse Flávia Cardoso, mãe da menina.

O delegado que investiga o caso vai ouvir o grupo que distribuiu as marmitas. “Tem comida de uma semana que está lá com eles. Pode ser essa comida estragada, que pode ter causado esse óbito, assim como pode ser uma contaminação proposital, um envenenamento. Só os laudos vão ajudar a dar uma resposta”, diz Aloysio Ribeiro, delegado de Itapevi.

Continua após a publicidade
Publicidade