Clique e assine com até 89% de desconto

Quatro marcos da imigração italiana na capital

Confira alguns pontos construídos por imigrantes ou em homenagem a eles

Por Maurício Xavier 20 jan 2017, 16h57

Colaborou Vinicius Tamamoto

O Brasil recebeu 30 000 imigrantes italianos desde 2000, e a maioria deles se instalou em São Paulo. Essa é a terceira onda migratória do país europeu para cá. A primeira ocorreu no fim do século XIX, e a segunda, a partir de 1945. Confira abaixo  os sinais deixados por eles na capital.

Viaduto Santa Ifigênia. Inaugurado em 1913, este ícone foi projetado pelos italianos Giulio Michetti e Giuseppe Chiappori.

Marco da Paz. Erguida no Pátio do Colégio desde 2000, a obra é do imigrante Gaetano Brancati Luigi e simboliza a fraternidade entre os povos.

Marco da Paz, no Pátio do Colégio (Foto: Divulgação)
Marco da Paz, no Pátio do Colégio (Foto: Divulgação)

Paróquia Nossa Senhora Achiropita. Em 1918, devotos trouxeram da Itália uma imagem da santa e construíram uma capela, elevada a paróquia em 1926.

Igreja de Nossa Senhora Achiropita, no bairro da Bela Vista (Foto: Fernando Moraes)
Igreja de Nossa Senhora Achiropita, no bairro da Bela Vista (Foto: Fernando Moraes) Fernando Moraes/Veja SP

Praça Cidade de Milão. Com réplica de obras renascentistas, o espaço em Moema surgiu nos anos 60, quando São Paulo e Milão se tornaram “cidades-irmãs”.

Esculturas na Praça Cidade de Milão, em Moema (Foto: Divulgação)
Esculturas na Praça Cidade de Milão, em Moema (Foto: Divulgação) Divulgação/Divulgação
  • Continua após a publicidade
    Publicidade