Clique e assine por apenas 6,90/mês

Manaus tem 11,2% da população com anticorpos do novo coronavírus

Descoberta faz parte da maior pesquisa nacional sobre a pandemia, que teve equipes agredidas na semana passada

Por Pedro Carvalho - Atualizado em 19 May 2020, 16h23 - Publicado em 19 May 2020, 14h43

Os anticorpos do novo coronavírus estão presentes em 11,2% da população de Manaus, uma das cidades brasileiras mais afetadas pela pandemia de Covid-19. A descoberta foi feita pela Epicovid-19, a primeira pesquisa nacional sobre a doença, coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) em parceria com o Ibope. 

Na semana passada, a Epicovid-19 esteve no noticiário após equipes de pesquisadores terem sido detidas por policiais e impedidas de trabalhar em 40 cidades brasileiras. “As forças de segurança, que deveriam proteger os entrevistadores, foram responsáveis por cenas lamentáveis e ações truculentas”, diz nota da UFPel. 

A pesquisa é financiada pelo Ministério da Saúde e vai medir a presença de anticorpos em 133 cidades. Os índices serão atualizados a cada três semanas. Nos próximos dias, a iniciativa vai divulgar os resultados da primeira rodada de medições — devido às prisões e agressões, essa análise inaugural será menor, com informações de aproximadamente cem municípios.

“O índice de 11,2% [encontrado em Manaus] está bem abaixo do necessário para se atingir a chamada ‘imunidade de rebanho’ [possível solução para a epidemia], calculado em pelo menos 60% de pessoas com anticorpos”, diz Aluísio Barros, um dos coordenadores do estudo. “Se a cidade voltar a ter uma circulação normal de pessoas, poderá passar por um novo pico da doença”, ele conclui. Na semana passada, uma pesquisa mostrou que 5,2% dos moradores dos seis bairros de São Paulo com maior incidência de Covid-19 tinham os anticorpos para o vírus. 

Continua após a publicidade

O estudo feito em Manaus coletou amostras de 250 moradores. O intervalo de confiança do resultado fica entre 7,6% a 15,8%. A cidade tem 951 mortes oficiais pela Covid-19 e 43,5 óbitos a cada 100 mil habitantes, enquanto em São Paulo o mesmo indicador é de 23,3.

Publicidade