Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Livraria Cultura fecha duas lojas em São Paulo e uma em Curitiba

A rede de livrarias está em recuperação judicial desde 2018; unidades dos shoppings Bourbon e Villa-Lobos, em São Paulo, encerram operações

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 5 fev 2021, 16h14 - Publicado em 5 fev 2021, 16h13

A Livraria Cultura anunciou o fechamento de três lojas da rede. Os estabelecimentos ficavam dentro dos shoppings Bourbon e Villa-Lobos, em São Paulo, e no Shopping Curitiba, a única unidade na capital paranaense.

Atualmente, a empresa conta com sete lojas em funcionamento no Brasil. Até o ano passado, a rede contava com 13 unidades.

“Para os próximos meses, nosso objetivo é manter somente as lojas que trazem retorno no curto prazo. Infelizmente, lojas que teriam um retorno previsto para acima de 6 meses foram descontinuadas”, informou a empresa em nota. A Cultura também afirma que, a partir de março, lançará novos serviços e dará foco nas vendas pelos meios digitais, que já representam 80% de sua receita.

No dia 8 de janeiro deste ano, 30 funcionários foram demitidos e mais 70 haviam sido desligados em maio do ano passado. Antigos colaboradores relatam rescisões atrasadas e falta de pagamentos do FGTS. Em áudio obtido pela Vejinha de uma reunião entre o CEO, Sérgio Herz, e os trabalhadores, o proprietário da rede afirmou que a empresa não tinha dinheiro.

Desde 2018, a rede está em recuperação judicial. Na época, as dívidas ultrapassavam 285 milhões de reais. A pandemia agravou ainda mais a situação da Cultura, que estuda novos modelos de negócios enquanto negocia dívidas com os credores.

Continua após a publicidade

Veja na íntegra a nota da empresa:

“Desde março de 2020, devido a todas as restrições impostas pela crise do Covid, iniciamos negociações com todos os nossos locadores para que tivéssemos condições comerciais adequadas a nova realidade e pudéssemos manter nossas lojas de maneira sustentável. 

Apesar dos esforços de todos os lados, o prolongamento da crise e a falta de previsibilidade nos fez tomar a decisão de encerrar as operações das lojas do Shopping Bourbon (SP), Shopping Villa-Lobos (SP) e Shopping Curitiba (PR).

Ao longo dos últimos anos o mercado online ganhou grande representatividade no mercado editorial. A pandemia impôs novos hábitos de consumo que dificilmente irão retroceder. A digitalização que tomou conta das pessoas e das empresas veio para ficar. Hoje as vendas de livros online representam algo como 80% da receita total do mercado. Esses fatores trazem desafios adicionais para o modelo tradicional das livrarias no médio e longo prazo. Parte importante do faturamento das lojas vinha de eventos, noites de autógrafos, atividades culturais, gastronômicas e obviamente de contato social. Infelizmente não acreditamos que tais atividades voltarão com força ainda em 2021.

Nosso plano é voltarmos ao lucro ainda esse ano para sairmos da Recuperação Judicial o mais breve possível. Não temos dúvida de que as lojas físicas continuarão a desempenhar um papel muito relevante no mercado, porém de maneira muito diferente da que estávamos acostumados. Estamos revisando totalmente nosso portfolio de lojas e serviços. Já iniciamos negociações para implementação de novos modelos de lojas em diversas cidades do Brasil, porem isso só acontecera quando as coisas ficarem mais claras. 

A partir de março lançaremos serviços inéditos no mercado e daremos ainda mais foco na integração dos meios digitais com nossos pontos de venda para entregar uma experiência extraordinária e única. Não temos a pretensão de concorrer com os gigantes do comercio eletrônico, mas sim de oferecer aos nossos clientes algo que ninguém oferece, novo e único.  

Para os próximos meses nosso objetivo é manter somente as lojas que trazem retorno no curto prazo. Infelizmente lojas que teriam um retorno previsto para acima de 6 meses foram descontinuadas. O foco hoje é preservação de caixa e a saúde da empresa. O início da vacinação é um primeiro passo para voltarmos a normalidade, mas o Brasil ainda tem desafios gigantescos para conseguir superar essa crise. Infelizmente o ano de 2021 será também muito difícil. Com as medidas tomadas queremos estar prontos para, na medida que a normalidade for se restabelecendo, iniciarmos uma nova era para a Cultura.”

  • Continua após a publicidade
    Publicidade