Clique e assine por apenas 6,90/mês

Oito banhistas morrem afogados em praias lotadas de São Paulo

Outros dois estão desaparecidos após entrarem no mar

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 7 set 2020, 17h33 - Publicado em 7 set 2020, 09h35

Oito banhistas morreram no litoral de São Paulo durante o feriado prolongado de 7 de setembro. Outros dois estão desaparecidos após entrarem no mar. De acordo com o Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar), três mortes foram em Guarujá, outras três em Mongaguá, uma em Bertioga e outra em Ubatuba.

Três vítimas que morreram na Praia da Enseada, em Guarujá, eram homens com idades de 24, 27 e 60 anos. Este último era um sargento aposentado da Polícia Militar que teve mau súbito após salvar uma adolescente das águas. Em Mongaguá, morreram três homens ainda não identificados. Um jovem de 22 anos sofreu parada cardiorrespiratória em Bertioga e não resistiu e em Ubatuba um outro rapaz de 25 anos se afogou na Praia do Felix. Ao todo, foram registradas 267 ocorrências no mar. Dois rapazes, de 18 e 21 anos, continuam desaparecidos.

Descida no feriado

As estradas paulistas que levam ao litoral registraram longos congestionamentos neste fim de semana prolongado do feriado de 7 de setembro. Mesmo com a orientação do governo estadual de evitar aglomerações no período para não aumentar os riscos de contágio pelo novo coronavírus, cerca de 215 mil veículos usaram o Sistema Anchieta-Imigrantes para chegar à Baixada Santista até o meio-dia deste domingo (6), de acordo com a concessionária Ecovias.

Pela manhã do domingo, a Rodovia Imigrantes teve tráfego congestionado no sentido litoral da altura do Km 28 ao 32. Segundo a concessionária Ecovias, a Via Anchieta também ficou congestionada no sentido Baixada Santista, da altura do Km 29 ao 31.

O movimento intenso de turistas nas praias paulistas já era esperado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER). No último fim de semana (29 e 30 de agosto), a movimentação chegou a mais de 600 mil veículos, superando a média para um fim de semana, de pouco mais que 400 mil.

 

Continua após a publicidade
Publicidade