Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Adolescente de 16 anos teria combinado matar mãe e irmã com padrasto

Segundo investigação da polícia, garota de 16 anos estava apaixonada pelo homem

Por Redação VEJA São Paulo 11 fev 2021, 10h16

A Polícia Civil disse que a adolescente suspeita de ter participado do assassinato da mãe e da irmã estava apaixonada pelo padrasto. O crime aconteceu em Pompeia, no interior de São Paulo. Os corpos das vítimas foram encontrados enterrados no quintal de casa no dia 2 de fevereiro. A informações são do G1.

“Ela [a adolescente] tinha problemas com a mãe. Ela não gostava da mãe, conforme relatou. Aí ficou apaixonada pelo cara [padrasto] e combinaram de matar a mãe”, diz o delegado Cláudio Anunciato Filho.

A mãe se chamava Cristiane Pedroso dos Santos Arena, de 34 anos. A filha era Karoline Vitória dos Santos Guimarães, de 9. Ambas estavam desaparecidas desde o fim de 2020.

A garota de 16 anos foi apreendida no dia do descobrimento dos corpos. O padrasto, Fabrício Buim Arena Belinato, de 36 anos, foi encontrado em Campo Grande na última segunda-feira (8).

O delegado falou sobre a investigação. “Primeiro ele matou a mulher porque a filha não gostava da mãe, e já tinha rixa com ela. Eles estavam apaixonados. E aí depois mataram a menina, não porque ninguém gostava da menina, mas para ocultar o crime. A morte da menina foi para não vir à tona o primeiro homicídio”, falou o delegado.

À imprensa após ser preso, Fabrício se disse arrependido. Além dos crimes de duplo homicídio e ocultação de cadáver, ele também é investigado por estupro de vulnerável, pois teria abusado sexualmente da enteada adolescente. A jovem negou a participação no crime, mas a polícia suspeita da colaboração pois ela indicou o local exato de onde estavam os corpos.

“Ele [Fabrício] confirmou que mantinha um relacionamento com ela [a adolescente] a partir do momento que ela fez 15 anos, em 2019. A partir daí, eles começaram a conviver praticamente como marido e mulher e o relacionamento dele com a esposa Cristiane foi enfraquecendo”, diz o delegado.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade