Continua após publicidade

A impressionante imagem da Praça do Pôr do Sol lotada no sábado

Cidade está em quarentena, mas endereço da Zona Oeste teve aglomeração neste fim de semana, o que não é recomendado pelas autoridades de saúde

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Maio 2024, 18h28 - Publicado em 5 abr 2020, 12h05

O fim de tarde de sábado (4) foi de aglomeração na Praça do Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. Algumas dezenas de pessoas se sentaram lado a lado para ver o cair do dia, como é tradição no local, a despeito dos apelos de autoridades e médicos por isolamento social no combate ao novo coronavírus. A imagem contrasta com as cenas de cidade vazia vistas nos últimos dias.

+Assine a Vejinha por 14,90 mensais.

A Organização Mundial da Saúde orienta que as pessoas fiquem em casa e, quando for preciso estar em lugares públicos (para ir ao supermercado, por exemplo), mantenham no mínimo um metro de distância umas das outras _e há, agora, a recomendação do uso de máscara, mesmo aquelas feitas em casa, com um tecido duplo. Em São Paulo, o governo estadual decretou quarentena no dia 24 de março e ela estava prevista para terminar na próxima quarta-feira, dia 7. A extensão da data está sendo estudada.

O registro das pessoas na praça, a pé ou de bicicleta, publicado no perfil de VEJA SÃO PAULO no Instagram, motivou indignação entre os seguidores. 

“Triste, pois não se conscientizaram que, se não ficarem doentes ou mesmo tiverem sintomas leves, estarão transmitindo o vírus para outros que podem não ter a mesma sorte… Pense coletivo!!!”, escreveu uma leitora. “O problema é esse povo aí ocupar lugar nos hospitais de pessoas que até fizeram a quarentena e infelizmente pegaram o vírus”, disse outra. “Infelizmente para algumas pessoas ainda não caiu a ficha da seriedade e gravidade desta pandemia. É o tal pensamento ‘comigo não vai acontecer’”, diz mais um comentário. “Já que eles são tão corajosos, deveriam colocá-los para cuidar das pessoas nos hospitais para aprenderem. É capaz de não ficarem contaminados e passarem o vírus para avós”, citou outra. “Só vão entender quando alguém de sua casa for infectado e precisarem de hospital, respirador, UTI…”

Continua após a publicidade

Alguns leitores cobraram a ação de autoridades nesses locais públicos, para dispersar os agrupamentos. “Pois é! Aqui no Morumbi, na Praça Vinicius de Moraes, está pior ainda….crianças, cachorros, pessoas correndo, andando, skates, bicicletas, vendedores de água de coco etc….Detalhe: ao lado do Palácio do Governo!”

Boletim divulgado pelo Ministério da Saúde no sábado informou que o número de confirmações de infectados no Brasil com o novo coronavírus chegou a 10.278. Quase metade (4.466) são do estado de São Paulo, que registrou 260 das 431 mortes do país. 

Praça Pôr do Sol
Praça Pôr do Sol (Veja SP/Veja SP)

 

+ OUÇA O PODCAST #SPsonha

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.