Clique e assine por apenas 6,90/mês
Notas Etílicas Por Saulo Yassuda Dicas, novidades e observações do mundo dos bares e das bebidas

Dante, ótimo bar de drinques de Nova York, vai para a Vila Madalena

O Astor sediará uma versão temporária da casa de Manhattan

Por Saulo Yassuda - Atualizado em 13 jun 2019, 19h55 - Publicado em 13 jun 2019, 17h52

Tive bons momentos no Dante, ótimo bar para não perder de vista quando se está em Nova York. Ali tomei bons clássicos e variações. Não sai da minha memória o excelente negroni bianco que provei numa tarde de outubro.

Fundado em 1915 como Caffe Dante, o espaço é quase uma instituição no Greenwich Village. Em 2015, ganhou vida nova e mais cara de bar com a chegada de novos donos. De lá para cá, alcançou altos postos na lista The World’s 50 Best Bars — é o 9º do mundo –, foi considerado o melhor bar da cidade pela Time Out, em 2018, e também teve o negroni celebrado como o número 1 da metrópole pela New York.

Para quem quer ter um gostinho do Dante sem pegar o avião, o bar de Manhattan vai ganhar uma espécie de filial na Vila Madalena, em São Paulo. Funcionará por quatro dias no Astor, de sábado (15) a terça (18).

O chocolate negroni Divulgação/Divulgação

No período, serão servidos onze coquetéis especiais. Uma das pedidas é o chocolate negroni (34 reais), que leva gim, Campari, vermute tinto, licor de cacau e bitters de chocolate, presente na lista de drinques que o Dante serve normalmente.

Entre os coquetéis especiais para a sucursal temporária, aparece o mambo italiano (30 reais), uma mistura de cachaça, limoncello, amaretto, maracujá, goiaba e cerveja. Quem vai preparar é Naren Young, sócio do Dante, com um bartender da matriz.

A invasão, chamada de Dante meets Astor, rola no sábado (15) das 18h às 22h, no domingo (16) das 12h às 16h, na segunda (17) das 18h às 22h e na terça (18), no mesmo horário. O Astor fica na Rua Delfina, 163, Vila Madalena.

UMA TARDE DE APERITIVOS

Continua após a publicidade

O Dante foi um dos poucos bares que visitei à tarde em minha última visita à Nova York, em outubro. Era sexta-feira, fazia sol, e o dia convidava para uma ida ao parque. Mas minha missão era etílica.

O balcão do bar do Greenwich Village Dante/Reprodução/Divulgação

Somente das 15h às 18h, entra em vigor o menu  Negroni Seasons, repleto de aperitivos como negroni e spritz e suas variações. Saem a 10 dólares cada um, uma pechincha em se tratando de Nova York (melhor não converter, tá?).

O lugar estava cheio por volta das 16h. Mas, sorte a minha, consegui um lugar no balcão. O espaço é uma graça, vintage, com jeito de café antigo. Uma bandinha de bluegrass tocava com animação num canto. Rolou até uma versão de Garota de Ipanema. Tive a certeza, nesse instante, de que estava na gringa.

Cheguei já perguntando ao simpático bartender qual era o drinque mais popular. Ele sugeriu o negroni bianco, que eu já havia namorado no balcão — era lindo, enfeitado com umas florzinhas, que causaram cócegas no meu nariz. A mistura estava impecável, com um ótimo balanço entre gim, vermute branco e aperitivo de vinho.

Dos drinques mais diferentões, pedi o unlikely negroni, com tequila, Campari, banana, xarope avinagrado de abacaxi e toque de pimenta. É para quem curte bebidas mais doces. Terminei com um míni dry martini, cinco dolarzinhos para uma dose de alegria. Quero voltar.

Quer mais dicas? Siga minhas novidades no Instagram @sauloy.

E para não perder as notícias mais quentes que rolam sobre São Paulo, assine a newsletter da Vejinha. É só clicar aqui

Continua após a publicidade
Publicidade