Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

O poder curativo da energia das plantas para as nossas emoções

"As plantas são uma ponte entre a energia presente no planeta e o nosso corpo", descreve a filósofa Patrícia Cândido

Por Helena Galante Atualizado em 6 nov 2020, 00h39 - Publicado em 6 nov 2020, 06h00

O ano era 2002. Eu estava doente, estressada, sobrecarregada e infeliz. Usava fortes medicações para controlar problemas de pele e alergias respiratórias. Do alto da minha arrogância (que é bem comum com pouca idade) acreditava que não era possível ser curada por chás, essências ou florais.

Costumava me perguntar: “Se os grandes laboratórios farmacêuticos não são capazes de encontrar uma cura para os meus problemas com todo o investimento que existe, como é que uma terapia ‘alternativa’, que não recebe apoio, vai conseguir?”.

Eu era prepotente e pensava que isso era conversa de “bicho-grilo”. Até que um dia, quando eu estava desesperada, me sugeriram experimentar um simples floral. No auge de uma crise alérgica, aceitei. Eu não dormia fazia uma semana, e então cedi porque cheguei ao ponto de aceitar qualquer coisa para melhorar.

Em menos de uma hora, o floral abriu minhas vias respiratórias. Eu dormi a noite inteira. Fiquei intrigada e continuei usando, fiz o tratamento até o final. Usei três vidros de floral e há dezoito anos estou curada. Nunca mais tive nenhuma manifestação alérgica. Daquele momento em diante eu só tinha uma coisa na cabeça: precisava estudar tudo sobre esse assunto! Era uma responsabilidade que chegava às minhas mãos: a de mostrar isso ao maior número de pessoas possível.

Nesse instante tive o meu primeiro aprendizado: quando existe um problema em um ecossistema, ele encontra solução dentro de si mesmo. Temos uma força interna capaz de transformar a nossa vida. Plantas estão ao alcance de todos e oferecem ajuda para o nosso caminho de cura e evolução.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

A humildade que eu não tive antes de conhecer o poder do reino vegetal é a melhor característica que posso usar agora para definir esse reino. Plantas são humildes, mas também descomplicadas, eficazes, discretas e definitivas.

Eu posso dizer que, assim como as plantas têm dons ocultos que as pessoas nem imaginam, todos nós também temos. Basta que você se permita, que se dê uma chance e revele seus talentos para quem merece saber deles, assim como as plantas fazem conosco. Elas só abrem o coração para quem tem humildade e amor suficiente para percebê-las.

Continua após a publicidade

Ah, mas você pode dizer que os chás existem há milhares de anos… Mas eles fazem parte da fitoterapia, que usa o princípio ativo químico dos vegetais e atua no campo físico dos seres humanos. A fitoenergética, em uma explicação mais simplificada, utiliza a energia das plantas e age nas emoções e nos campos energéticos — os chamados chacras do nosso corpo.

Tudo isso que confidenciei aqui faz parte de um estudo que completou quinze anos em 2020. Em 2018, esse sistema de cura da fitoenergética foi reconhecido pelo Ministério da Saúde como uma prática integrativa e complementar do SUS. As plantas são uma ponte entre a energia presente no planeta e o nosso corpo. Ao tomar um chá, cuidar do jardim, acender um incenso ou até mesmo abraçar uma árvore, você está assimilando essa energia para si.

Quando aprendermos a nos relacionar com o reino vegetal com gratidão e consciência de seus potenciais, certamente conseguiremos receber seus benefícios e, por consequência, seremos pessoas mais felizes, saudáveis e plenas.

Divulgação/Divulgação

Patrícia Cândido é filósofa e escritora com dezesseis obras publicadas. Escreve o prefácio do livro Fitoenergética, que foi escrito pelo seu amigo e sócio no Grupo Luz da Serra, Bruno Gimenes, e relançado em 2020.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicado em VEJA São Paulo de 11 de novembro de 2020, edição nº 2712.

LEIA MAIS

+ “Minha felicidade está conectada com a felicidade da próxima geração” 

+ “Uma chavinha mudou e, hoje, acordo com mais calma”

Continua após a publicidade
Publicidade