Clique e assine por apenas 6,90/mês

Miu

(Desde 2019)

Tipos de Restaurantes: Japoneses

VejaSP:

Endereço: Rua Amauri, 244 - Itaim Bibi - São Paulo - SP ver no mapa

Telefone: (11) 965818899

Horário:

segunda-feira 12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00

terça-feira 12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00

quarta-feira 12:00 - 15:00 - 19:00 - 00:00

quinta-feira 12:00 - 15:00 - 19:00 - 00:00

sexta-feira 12:00 - 15:00 - 19:00 - 00:00

sábado 12:00 - 15:00 - 19:00 - 00:00

domingo - Fechado

Faixa de preço: De R$176,00 a R$300,00

Informações adicionais: Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (47), Levar vinhos (permite) (R$ 40,00)

Resenha por Arnaldo Lorençato

Às vésperas do lançamento do COMER & BEBER, em outubro passado, visitei o Miu. Na resenha publicada no guia anual, o restaurante japonês, parte da carteira de negócios gastronômicos do +55 Group, liderado por Gabriel Carvalho, recebeu três estrelas. Deram um peso positivo à avaliação o atendimento atencioso, o ambiente agradável e, sobretudo, a qualidade da cozinha. Há que reconhecer que o sashimi de atum (R$ 17,00, três fatias) não empolgou muito, mas o de olho-de-boi (R$ 10,00, três fatias) era ótimo. Também eram de primeira a robata de wagyu no carvão (R$ 46,00 a dupla) e o creme brûlé de matchá (R$ 20,00). Em visita mais recente, neste mês, provei novamente o missoshiru com macarrão de arroz e salsinha (R$ 13,00), outra vez uma alegria. E mereceram aplausos do paladar o moderninho tempurá com peixe cru batido por cima. O de atum, como quase sempre ocorre, mostrou-se superior à versão de salmão. Os acertos pararam aí e explicam por que o Miu perde uma estrela. O sashimi de bluefin toro (R$ 53,00), caríssimo atum do mediterrâneo, estava aguado, provavelmente resultado de um descongelamento desastrado. Faltou firmeza às fatias de linguado (R$ 10,00), um peixe fibroso. Num arroz pobre em tempero, chegaram um ouriço-do-mar (R$ 26,00) triste pelo gosto de iodo e um carapau marinado (R$ 10,00) sem intensidade de sabor, além de boas versões de polvo (R$ 13,00) e robalo (R$ 10,00). Na sobremesa, uma película de mochi envolvia um duríssimo sorvete de chá-verde e vinha com um macaron de damasco (R$ 28,00), que não dissolvia na boca como era de esperar.

Informações checadas em fevereiro de 2020.

    Às vésperas do lançamento do COMER & BEBER, em outubro passado, visitei o Miu. Na resenha publicada no guia anual, o restaurante japonês, parte da carteira de negócios gastronômicos do +55 Group, liderado por Gabriel Carvalho, recebeu três estrelas. Deram um peso positivo à avaliação o atendimento atencioso, o ambiente agradável e, sobretudo, a qualidade da cozinha. Há que reconhecer que o sashimi de atum (R$ 17,00, três fatias) não empolgou muito, mas o de olho-de-boi (R$ 10,00, três fatias) era ótimo. Também eram de primeira a robata de wagyu no carvão (R$ 46,00 a dupla) e o creme brûlé de matchá (R$ 20,00). Em visita mais recente, neste mês, provei novamente o missoshiru com macarrão de arroz e salsinha (R$ 13,00), outra vez uma alegria. E mereceram aplausos do paladar o moderninho tempurá com peixe cru batido por cima. O de atum, como quase sempre ocorre, mostrou-se superior à versão de salmão. Os acertos pararam aí e explicam por que o Miu perde uma estrela. O sashimi de bluefin toro (R$ 53,00), caríssimo atum do mediterrâneo, estava aguado, provavelmente resultado de um descongelamento desastrado. Faltou firmeza às fatias de linguado (R$ 10,00), um peixe fibroso. Num arroz pobre em tempero, chegaram um ouriço-do-mar (R$ 26,00) triste pelo gosto de iodo e um carapau marinado (R$ 10,00) sem intensidade de sabor, além de boas versões de polvo (R$ 13,00) e robalo (R$ 10,00). Na sobremesa, uma película de mochi envolvia um duríssimo sorvete de chá-verde e vinha com um macaron de damasco (R$ 28,00), que não dissolvia na boca como era de esperar.

    Informações checadas em fevereiro de 2020.