Lellis Trattoria – Bela Cintra (Desde 1981)

Tipos de Restaurantes: Cantina / Trattoria, Italianos
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars
Endereço: Rua Bela Cintra, 1849 - Jardim Paulista - São Paulo - SP ver no mapa
Telefone: (11) 30642727
Horário:
segunda-feira
11:30 - 16:00 - 19:00 - 02:00
terça-feira
11:30 - 16:00 - 19:00 - 02:00
quarta-feira
11:30 - 16:00 - 19:00 - 02:00
quinta-feira
11:30 - 16:00 - 19:00 - 02:00
sexta-feira
11:30 - 16:00 - 19:00 - 02:00
sábado
11:30 - 02:00
domingo
11:30 - 00:00
Feriados das 11h30 à 0h
monetization_on

Faixa de preço

De R$116,00 a R$175,00

check_circle

Informações adicionais

Entrega em domicílio ((11) 30642727), Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (210 lugares), Comida (couvert) (R$ 13,50)

Resenha por Arnaldo Lorençato e Saulo Yassuda

Não estranhe se não encontrar mais o bufê de antepastos. Os aparadores foram aposentados no começo do ano. Em um restaurante onde nada costuma mudar, como este, qualquer pequena reforma já chama atenção. No cardápio, tudo permanece igual. Começa-se a refeição com o couvert (R$ 13,50) composto de fatias de pão italiano, sardela e azeitonas carnudas. Segue-se, então, para massas em porção para dois, como os agnolotti de ricota e nozes de massa grossinha ao molho branco com uva-passa, que merecem ser salpicados de parmesão à mesa (R$ 142,15). O tiramisu com muito creme (R$ 18,50) faz o arremate.

Informações checadas entre agosto e outubro de 2019.

    TCHAUZINHO AOS ACEPIPES

    Mesmo que mínima, qualquer mudança que ocorre em uma cantina chama a atenção da clientela fiel. Por isso, não se assuste se você aparecer na Lellis Trattoria, integrante dessa categoria quase imutável, e não encontrar o bufê de antepastos. Os aparadores foram aposentados depois de uma rápida reforma no Carnaval, e o espaço onde ficavam ganhou mais mesas. Se quiser beliscar, comece a refeição com o couvert (R$ 13,50) composto de pão italiano, sardela e azeitonas carnudas. O menu continua o mesmo, com receitas fartas como o filé alla boheme (R$ 149,50, para três), bifão macio empanado e gratinado ao creme de espinafre e catupiry servido com arroz.

    (Por Saulo Yassuda)

    Informações checadas em maio de 2019. 

    Comer e beber

    • 2019 - Participante

      Cantinas/Trattorias Comer & Beber .

      Não estranhe se não encontrar mais o bufê de antepastos. Os aparadores foram aposentados no começo do ano. Em um restaurante onde nada costuma mudar, como este, qualquer pequena reforma já chama atenção. No cardápio, tudo permanece igual. Começa-se a refeição com o couvert (R$ 13,50) composto de fatias de pão italiano, sardela e azeitonas carnudas. Segue-se, então, para massas em porção para dois, como os agnolotti de ricota e nozes de massa grossinha ao molho branco com uva-passa, que merecem ser salpicados de parmesão à mesa (R$ 142,15). O tiramisu com muito creme (R$ 18,50) faz o arremate. Informações checadas entre agosto e outubro de 2019.

      Arnaldo Lorençato e Saulo Yassuda

    • 2018 - Participante

      Cantinas/Trattorias Comer & Beber .

      Quase sempre há gente em frente à casa deixando o carro com o valet ou esperando o motorista. Na ativa desde 1981, o amplo salão recebe um público eclético que come ao som de músicos volantes. Tem maior saída nos dias frios a sopa à moda lellis (R$ 43,80), com legumes como brócolis e cenoura mais tomate e carne moída. Simpáticos, os garçons porcionam as fartas receitas à mesa diante dos clientes. Aquele tipo de prato para dois mas que serve até três, o filé alla boheme (R$ 126,90) traz um bifão macio empanado e gratinado com creme de espinafre e catupiry servido com arroz. (Informações checadas entre julho e setembro de 2018).

      Arnaldo Lorençato, Helena Galante e Saulo Yassuda

    • 2017 - Participante

      Cantinas/Trattorias Comer & Beber .

      Frequentam o lugar de decoração folclórica — vide as uvas de plástico e as cabeças de alho pelo salão — famílias que conhecem a casa de longa data e turistas. Não raro, os garçons fazem as vezes de fotógrafos a pedido da clientela. E, mesmo assim, são eficazes em sua função de servir pedidas como o filé à parmigiana saboroso, mas de empanado úmido, e não sequinho, como seria de esperar (R$ 177,50, com arroz e fritas). (Preços checados em setembro de 2017).

      Arnaldo Lorençato, Helena Galante e Saulo Yassuda

    • 2015 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      É neste endereço que se encontra o fundador da marca, o baiano João Lellis — a outra casa de nome idêntico, na Alameda Campinas, foi vendida por ele em 1987. Pelas mesas, um trio de músicos circula e toca canções italianas no meio do jantar de segunda a sábado, e os frequentadores fiéis aplaudem. Bem farta, a porção de lula à dorée (R$ 42,00) chega na companhia de gomos de limão. Têm a mesma pegada generosa as massas, que costumam servir mais de duas pessoas. Pode chegar um tiquinho acima do ponto o penne à moda da casa (R$ 111,80), coberto por um molho rústico de tomate, cubos de carne, tomate seco e mussarela de búfala derretida. O enorme cardápio também tem espaço para receitas das antigas, caso do filé à cubana (R$ 122,90). O bifão à milanesa é guarnecido de batata frita bem fininha, banana e abacaxi empanados, figo e pêssego em calda, palmito e ervilha em conserva e fatias de presunto cozido. (Preços checados em setembro/outubro de 2015.)

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2014 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      São duas casas de mesmo nome, mas com donos diferentes. Só nesta pode ser encontrado o fundador, João Lellis, que comanda o grande salão com colunas em arco ornamentadas com uvas de plástico, teto pintado com as cores da bandeira italiana e um trio de músicos passeando entre as mesas. O cardápio quilométrico lista pratos para duas pessoas, que podem servir até quatro. Coberto por molho de tomate pedaçudo com cubos de filé-mignon, o ravioloni de mussarela de búfala sai por R$ 113,00. Receita das antigas, o medalhão à daniel (R$ 132,00) chega coberto por molho de vinho madeira e curry na companhia de penne aos quatro queijos. Uma pequena sala abriga o bufê de antepastos (R$ 92,00 o quilo), um tanto descuidado, com alguns itens. A berinjela frita pode vir com excesso de óleo e a sardinha marinada ter um tom acima de acidez. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2013 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      Embora tenha sobrenome italiano, o dono é o baiano João Lellis. No ramo desde 1964, quando começou como faxineiro do Gigetto, o restaurateur conta com a ajuda do filho para administrar a cantina, que tem duas filiais, uma em Campinas e outra em Curitiba. No salão decorado com fotos de clientes famosos e garrafas de vinho fixadas nas paredes, circulam receitas clássicas nada italianas como o medalhão de filé-mignon au poivre de origem francesa na companhia de fettuccine aos quatro queijos (R$ 126,00). Outras são misturas que o proprietário reivindica a autoria. Um exemplo: molho à camaresca (camarão, creme de leite, cogumelo-de-paris, manteiga e parmesão; R$ 123,00), que pode se combinado ao fettuccine fresco feito na casa. Os pratos são para dois apetites. Apresenta uma extensa e interessante carta de vinhos. (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2012 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      Chega aos 25 anos a casa aberta por João Lellis. Baiano de Macaúbas, ele ingressou no ramo em 1964 como faxineiro do Gigetto, onde chegou a ajudante de cozinha e copeiro. Depois, foi trabalhar em uma cantina montada por Giovanni Bruno, com quem aprendeu a arte de bem receber no salão. Em seguida, montou o primeiro negócio, dessa vez em sociedade com outro italiano, Piero Grandi. Só anos mais tarde surgiria este restaurante com seu nome, onde segue o cardápio cantineiro paulistano: massas fartas e inundadas de molho. Um de seus orgulhos é contar aos clientes como criou algumas receitas, entre elas o conchiglione à camaresca (em forma de concha recheada de camarão e queijo gorgonzola e catupiry ao molho do crustáceo, creme de leite, manteiga, parmesão, catupiry e cogumelo-de-paris). As porções são para duas pessoas. Na carta de vinhos, encontra-se o italiano Branciforti Nero d’Avola.

      Veja SP

    • 2011 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      Estabelecimento faz parte da edição Comer & Beber 2011/2012

      Veja SP

    • 2010 - Participante

      Restaurantes italianos (cantina) Comer & Beber .

      Estabelecimento faz parte da edição Comer & Beber 2010/2011

      Veja SP

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá,

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google

    Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s

    1. Fabiano Alves

      Os restaurantes Lellis da Rua Bela Cintra e da Alameda Campinas são do mesmo proprietário?