Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

“Passamos a lua de mel pelados na França”

Juntos há seis anos, Arthur e Luana celebraram o casamento em cidade naturista e divulgam nas redes sociais a rotina como praticantes de swing

Por Arthur Mederos, em depoimento a Humberto Abdo Atualizado em 23 jul 2021, 01h31 - Publicado em 23 jul 2021, 06h00

“Tudo aconteceu muito rápido. Nós nos conhecemos em 2016, no interior da Paraíba, quando visitei a loja de capinhas para celular onde a Luana trabalhava. Logo recebi uma mensagem dela e começamos a conversar. Depois de um mês, fiz outra viagem só para vê-la de novo, e nos envolvemos até perceber que não dava mais para conciliar as rotinas morando tão longe um do outro. Conversei com ela e com a mãe dela e sugeri trazê-la comigo para São Paulo. Ela aceitou a aventura e hoje somos paraibanos radicados em Sampa.

Em 2018, fiz uma festa-surpresa com a família para pedi-la em casamento. A lua de mel foi mais recente: descobrimos na internet uma cidade francesa chamada Cap d’Agde, referência no mundo liberal e uma curiosidade que já tínhamos pelo estilo de vida dos moradores. Por lá, todos podem circular pelados nas cafeterias, restaurantes, lojas e praias. Uma vida normal… De forma nua. Foi como visitar uma realidade paralela. As pessoas não andam com celular e só usam pochetes ou bolsas nas costas. É quase uma fortaleza e tem uma taxa de 15 euros para entrar. Todos se respeitam, sem julgamentos.

Nós já tínhamos viajado bastante juntos, inclusive para outras praias de nudismo, e desde o início do nosso relacionamento optamos por vivenciar o amor livre. Não queríamos ter ciúme um do outro ou nos sentir presos. Um dia eu disse ‘vamos começar a divulgar nosso estilo de vida’. Nas redes sociais, chegamos a ter 1 milhão de seguidores, mas uma das nossas páginas foi derrubada e agora alcançamos 400 000 pessoas. Na plataforma do OnlyFans, temos 5 000. Em encontros presenciais, também ensinamos o conceito do swing e atualmente fazemos uma turnê pelo Brasil para demonstrar essa prática. Queremos juntar mais pessoas para poder debater tabus e aumentar a aceitação da sociedade.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

arthur e luana no beco do batman, com muros grafitados ao fundo, posando para foto nus. cada um está cobrindo suas respectivas partes íntimas e olhando para o outro com expressão assustada
Juntos e pelados: Arthur e Luana já posaram nus no Beco do Batman. Vanessa Carvalho/Divulgação
foto em preto e branco da silhueta de arthur e luana posando nus para a foto na paulista. eles estão no meio da rua, com a avenida ao fundo, fazendo uma pose em que ele a segura, enquanto ela abre os braços
Arthur e Luana: casal já posou sem roupa na Avenida Paulista. Vanessa Carvalho/Divulgação

Houve preconceito por parte de nossa família durante o primeiro ano e ficamos sem nos falar por um tempo… Pessoas comuns não reconhecem a ideia de dividir a esposa, e vice-versa, não cabe na mente delas. Acham que o amor só existe entre duas pessoas e, se você sente desejo por outras, não ama a sua parceira. Ouço muito ‘ah, só estão com safadeza, só querem fama’, mas são coisas separadas. A gente tem um amor muito grande um pelo outro, é louco um pelo outro, e existe o momento do prazer e o da vida pessoal.

Agora planejamos fazer um documentário sobre as cidades mais liberais do mundo, na pegada daquele filme De Olhos Bem Fechados, com o Brad Pitt. O pontapé inicial para essa ideia foi um ensaio nu que fizemos na Paulista, de manhãzinha na avenida. A gente achava que seria recriminado, mas as pessoas ficaram eufóricas, gostaram, na verdade. Na cidade francesa, até fizemos algumas gravações, mas não vamos usar porque é proibido, só fizemos por teimosia. Na hora parou uma viatura cheia de seguranças, que explicaram que não pode, e você é expulso se realizar várias infrações. Para o ato sexual em local público, a multa é de 15 000 euros. Um dia ainda queremos fazer o reality show do swing, com todo mundo dentro de uma casa como se fosse o Big Brother Brasil. Para a eliminação, ainda não sei como funcionaria. Talvez a regra possa ser ‘fez ruim, manda embora!’.”

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 28 de julho de 2021, edição nº 2748

  • Continua após a publicidade
    Publicidade