Morre, aos 96 anos, o escultor Frans Krajcberg

Obras do artista foram exibidas na 32ª Bienal de São Paulo em 2016

O escultor e ambientalista Frans Krajcberg em seu ateliê no município de Nova Viçosa, Bahia

O escultor e ambientalista Frans Krajcberg em seu ateliê no município de Nova Viçosa, Bahia (TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO/ AE/Veja SP)

 

Morreu nesta quarta-feira, 15, aos 96 anos, no Hospital Samaritano do Rio de Janeiro, onde estava internado, o pintor e escutor de origem polonesa Frans Krajcberg, cuja obra, associada à preservação ambiental. Ele chegou sozinho ao Brasil, em 1948, e usava troncos e raízes de árvores calcinadas. Ativista, Krajcberg lutou até o fim da vida contra a destruição de florestas. Toda a sua família, de origem judia, foi morta em campos de extermínio nazistas.

Ao se instalar no país, Krajcberg participou da primeira edição da Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, com duas pinturas. Ainda que fosse menos conhecido como pintor, sua obra no suporte foi recentemente exibida por Acácio Lisboa em sua galeria Frente, surpreendendo o público. Em 1956, já mais interessado em escultura, o artista, naturalizado brasileiro desde 1957, dividiu ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005) ao se mudar para o Rio de Janeiro. Sempre frequentando o circuito internacional, ele dividia seu tempo entre o Rio e Paris, que reconheceu sua obra, dedicando a ele um espaço permanente de exposição, além de distinguir o artista com a mais alta honraria da cidade, a Medalha Vermeil, por sua contribuição às artes.

 

Krajcberg utilizava galhos e troncos calcinados em suas obras. Na 32ª Bienal de São Paulo, algumas de suas esculturas foram exibidas

Krajcberg utilizava galhos e troncos calcinados em suas obras. Na 32ª Bienal de São Paulo, algumas de suas esculturas foram exibidas (TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO/ AE/Veja SP)

 

Isso não aconteceu em Nova Viçosa, no sul da Bahia, onde residia há 45 anos e tentou construir um museu para abrigar três centenas de esculturas de sua autoria. Krajcberg costumava reclamar da indiferença local em relação ao seu trabalho artístico e de preservação ambiental. Solitário, ele teve sua casa invadida por ladrões cinco vezes. Depois do último roubo, três policiais passaram a cuidar de sua segurança pessoal. Mesmo com problemas de saúde, o artista costumava viajar e fotografar as áreas atingidas por incêndios criminososos. “Vocês não sabem o que está acontecendo na Amazônia; é um massacre, precisamos interromper esse ciclo”, disse, numa de suas muitas entrevistas para denunciar a destruição das florestas brasileiras.

As primeiras esculturas em madeira de Krajcberg foram feitas em 1964. Já nessa época ele visitava com frequência o Pantanal matogrossense e a Amazônia para registrar o desmatamento e recolher troncos e raízes para suas esculturas. Em Nova Viçosa ele chegou a plantar mais de 10 mil mudas de espécies nativas. Em 2003, ele inaugurou o Espaço Krajcberg no Jardim Botânico de Curitiba, que reuniu 114 obras do escultor, entre esculuras e fotografias.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s