Clique e assine por apenas 6,90/mês

KondZilla tem canal com quase 1 milhão de inscritos sem nenhum vídeo

Produtora faz sucesso no YouTube e lançará, em breve, minidocs e reportagens sobre o mundo do funk com número monumental de adesões

Por Gabrielli Menezes - Atualizado em 24 May 2019, 15h10 - Publicado em 24 May 2019, 13h41

Quarenta e nove milhões, quatrocentos e cinquenta e quatro mil e trezentos e cinquenta e nove (49.454.359) pessoas inscritas no Canal KondZilla (até o momento da reportagem) não são suficientes para a produtora de vídeos fundada por Konrad Cunha Dantas há oito anos.

É tanta gente interessada nos videoclipes de funk que o canal é o quarto maior do mundo no YouTube, considerando os mais diversos assuntos. Um segundo portal da marca pegou carona nesse sucesso. Criado em 2017 junto com o site KondZilla.com, o Portal KondZilla alcançou quase 1 milhão de inscritos sem nenhum vídeo publicado.

E por que alguém aperta o botão “inscrever-se” se não há nenhum conteúdo lá? Mesmo que tivesse sido por engano, Konrad e Fábio Trevisan, CEO da empresa há sete meses, aproveitaram a provável “confusão” para lançar uma campanha. O conteúdo será, sim, colocado no canal, mas só quando atingir 1 milhão de inscritos. Por enquanto, faltam pouco mais de 150 mil pessoas.

A previsão é de que o lançamento aconteça até junho. “Vamos publicar pelo menos três vídeos por semana. Os assuntos são diversidade, empreendedorismo, moda, beleza e dança. Tudo orbitando o universo do funk”, conta Trevisan.

Continua após a publicidade

Com uma linguagem original, o projeto é feito por jovens de periferia para jovens de periferia. Não há off (aquela narração sobreposta às imagens que costumam estar presentes em reportagens) e nem apresentadores. “A ideia é que essa moçada realmente seja o foco”, explica o CEO.

Entre os trabalhos estão minidocumentários com quatro episódios de até três minutos cada um. O Vivendo um Sonho conta a história de meninos que lançaram uma música de sucesso e estão vivendo o sonho de ser MC. No Somos Plural, o holofote vai para a diversidade na favela, retratando casais homossexuais e pessoas deficientes.

Também apareceram por lá making offs de clipes da KondZilla. “Agora, sempre que sai uma turma para a gravação, vai mais um grupo de pessoas para fazer a cobertura da produção”, diz Trevisan. Personagens reais — e muito interessantes — tem espaço garantido. Exemplo é o Rogerinho Original, que é especializado na manutenção e customização de óculos da Oakley, um dos objetos de desejo dos jovens. Quer saber os segredos do passinho? Vai estar no canal também.

Confira o teaser:

Continua após a publicidade

Publicidade