Continua após publicidade

“Tradutora” das rochas, Denise Milan completa quarenta anos de carreira

Com fenda gigante cravejada de ametistas, nova obra de Denise Milan será destaque na Bienal de Artes do Mercosul

Por Humberto Abdo
Atualizado em 27 Maio 2024, 21h34 - Publicado em 8 set 2022, 21h00

Mais que artista plástica, Denise Milan se considera uma intérprete das pedras. Para traduzir o que elas têm a dizer, um dos seus métodos é traçar paralelos com a experiência humana. “Assim como as pedras, estamos sempre buscando maneiras de continuar a viver e prosperar”, reflete.

+ Nascido em colégio, Titãs celebra 40 anos como ícone do rock paulistano

Com o título TrincAr, seu novo trabalho será destaque na 13ª Bienal de Artes do Mercosul a partir de 15 de setembro no Museu de Arte do Rio Grande do Sul. Trata-se de um “rasgo” de 20 metros de comprimento cravejado de ametistas, quase uma versão ampliada da fenda feita por ela no corredor do apartamento onde mora, em Higienópolis.

Em proporções diferentes, esses rasgos servem de metáfora para a sobrevivência humana (colocada em xeque desde a pandemia) e representam uma ruptura. Na sala de casa, ela se agacha para apontar o detalhe de um de seus cristais (na foto acima), que resume bem a ideia: apesar das rachaduras expostas dentro da rocha, ela continuou se desenvolvendo até o estado final — e essa “cicatriz” não interrompeu o caminho. Só passou a fazer parte da história.

Continua após a publicidade
Imagem mostra escultura em pedra com cristais roxos
Em montagem: obra terá 20 metros de comprimento. (Thiéle Elissa/Divulgação)

No âmbito pessoal, foram várias as rupturas da artista paulistana: a primeira, ao perder o pai, Rachid Milan, quando tinha 11 anos, e, mais tarde, a perda de uma filha, com 4 meses — segundo ela (e as pedras), quando esses acontecimentos interrompem a rota da vida, sempre existe a opção de se concentrar apenas na ferida ou deixá-la cicatrizar. “Se a pessoa fica presa na ruptura, perde a oportunidade de progredir.”

A separação após um casamento de 26 anos e o surgimento de um câncer de mama, em 2004, também alteraram drasticamente sua trajetória. “Meu corpo trincou. Foi uma mudança brutal porque passei por onze horas de operação para a mastectomia. Tive de me reinventar.”

Continua após a publicidade
Imagem mostra armário com diversos cristais, de diferentes cores e tamanhos
Dentro de casa: pedras reunidas para um projeto futuro. (Clayton Vieira/Veja SP)

E as pedras, acredita, a ajudaram a dar sentido a essa recuperação. “Eu tinha de entender aquele desajuste no meu corpo e quais possibilidades tinha para me reposicionar”, observa. “As pedras fizeram com que eu me organizasse segundo as leis da natureza, que são as que menos machucam o homem. Desse momento individual passei a viver uma experiência coletiva.”

+ CASACOR 2022: pela primeira vez, Vejinha vai premiar os melhores ambientes

Depois de ter cursado economia e se decepcionar com a escolha, Denise se conectou com os cristais por acaso, ao receber a sugestão em uma mostra de arte. “Foi aí que me lembrei da caixinha com pedras brasileiras que meu pai havia me dado de presente na infância.”

Hoje ela acumula vários tesouros como esse e sonha em transformar sua “quartzoteca”, uma sala espelhada onde guarda algumas das suas criações, em museu ou galeria. “Quero deixar essas narrativas para as outras gerações.”

Imagem mostra sala com armário repleto de pedras e cristais. O chão é de taco e as paredes são brancas.
Quartzoteca: projeto assinado por Ricardo Caruano. (Clayton Vieira/Veja SP)

Em São Paulo, pelo menos cinco de suas obras ficam expostas em locais como Anhangabaú e a Estação Clínicas do metrô, além de ter produções em cidades como Veneza, Nova York e Chicago. E todos esses fragmentos marcam, desde então, alguns dos pontos principais de sua carreira e vida pessoal.

“Como o rasgo com três basaltos na parede de casa, que fiz quando minha filha se mudou, ou o rio de cristais no qual me deitei durante o período de separação… E que depois expus para mais de 1 milhão de pessoas”, relembra. “Sempre existirão esses lutos, mas depois a superação, que pode ser um traço da nossa evolução.”

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 14  de setembro de 2022, edição nº 2806

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.