Continua após publicidade

Nascido em colégio, Titãs celebra 40 anos como ícone do rock paulistano

O grupo lança um disco de músicas inéditas e volta aos palcos em uma turnê que estreia em São Paulo

Por Tomás Novaes
Atualizado em 27 Maio 2024, 21h36 - Publicado em 2 set 2022, 06h00

Entre os três integrantes atuais dos Titãs tem um carioca de nascença (Sérgio Britto, 62), outro de residência (Tony Bellotto, 62) e um terceiro que se rendeu à brisa do Rio de Janeiro por dez anos (Branco Mello, 60). Ainda assim, a banda nunca deixou de ser uma autêntica criatura paulistana.

+ CASACOR 2022: pela primeira vez, Vejinha vai premiar os melhores ambientes

Quando se pensa em rock de São Paulo, os Titãs, assim como Rita Lee, são “a sua mais completa tradução” — para citar o famoso verso de Caetano Veloso escrito em 1978, quando os futuros roqueiros eram apenas jovens alunos do Colégio Equipe, na Bela Vista.

Imagem mostra homem de chapéu e roupas cinzas, com óculos escuros, apontando o dedo para a câmera
Sérgio Britto, 62: morador da Vila Nova Conceição. (Leo Martins/Veja SP)

“Sempre fomos identificados com São Paulo, seja pela maneira de se vestir, se comportar — ou, claro, pelo sotaque. Ao mesmo tempo, sempre falamos para o Brasil. É algo que nem sempre acontece com artistas paulistanos, com honrosas exceções como a Rita”, diz Britto, atualmente vizinho do Parque Ibirapuera, que costuma frequentar quando não perambula pelos passeios culturais da cidade, como o Masp e a CASACOR.

Prova de que a afirmação é verdadeira, a frase foi dita diretamente de Juazeiro do Norte, no Ceará, onde os três músicos, acompanhados dos “titânicos agregados” Beto Lee (filho de Rita) e Mário Fabre, abriram a Mostra Cariri de Culturas, no último dia 26. “O primeiro release (texto de divulgação) dos Titãs para a imprensa, em 1982, dizia: ‘Titãs, um conjunto nacional formado por nove paulistas’”, confirma Branco.

Imagem mostra homem de roupa preta e óculos escuro mexendo nos cabelos, grisalhos
Branco Mello, 60: palmeirense e morador da Vila Madalena. (Leo Martins/Veja SP)

“São Paulo sempre esteve presente na nossa maneira de fazer música”, completa o palmeirense da Vila Madalena, que tem como passatempo assistir aos jogos do verdão no Allianz Parque — e se recupera da retirada de um tumor na hipofaringe, feita no começo do ano.

Os quarenta anos dos Titãs trazem novidades: Olho Furta-Cor, um disco de músicas inéditas produzido por Rick Bonadio e Sergio Fouad, lançado nesta sexta-feira (2).

Continua após a publicidade

+ Cirque du Soleil retorna à capital com novo espetáculo

“No voo (para o Ceará), escutei o álbum inteiro. É interessante como ele começa com o canto dos índios do Xingu, em Apocalipse Só, e fecha com o barulho urbano da cidade, na música São Paulo 1. É, novamente, uma visão de São Paulo para o Brasil”, afirma Bellotto, que mora no Rio de Janeiro há 32 anos, mas passa boa parte do tempo na ponte aérea entre sua cobertura em Ipanema e o Hotel Unique, no Jardins.

Imagem mostra homem sorrindo, com os braços cruzados sobre o peito
Tony Bellotto, 62: entre a cobertura em Ipanema e os hotéis em sampa. (Leo Martins/Veja SP)

Nas quatro décadas de estrada, houve sete formações dos Titãs. A banda começou com nove integrantes: além do trio remanescente, tinha Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer (1961-2001), Nando Reis, Paulo Miklos, André Jung e Ciro Pessoa (1957-2020). Os dois últimos saíram antes da chegada do baterista Charles Gavin, em 1985, que completou a formação clássica.

O berço do populoso conjunto — que mal cabia no palco — tem endereço conhecido: o Colégio Equipe, na Rua Martiniano de Carvalho, colado à Basílica Nossa Senhora do Carmo.

“Eles tinham personalidades muito diferentes daquilo que mostravam no palco. Eram introspectivos, até tímidos, principalmente o Arnaldo e o Britto. O Branco também era um menino tranquilo. E eram apaixonados por música, o que me ajudava muito”, conta Serginho Groisman, 72, então responsável pela programação cultural do colégio, função que exerceu entre 1970 e 1980.

Imagem mostra várias crianças sentadas em pátio escolar, segurando revistas.
No Equipe, em 1977: Branco Mello no centro da roda de colegas com a primeira edição da revista Papagaio. (Bob Wolfenson/Divulgação)

“Nenhum deles era aquele cara que chegava e arrasava com as palavras, aquela pessoa extrovertida. Viravam bichos no palco mesmo”, relembra Serginho.

Continua após a publicidade

Quase todos os músicos que participaram da banda estudaram no Equipe — as exceções são somente Charles e Tony, que viveu a adolescência em Assis, no interior paulista. A talentosa geração de estudantes do colégio contava ainda com o diretor Cao Hamburger, o músico Fernando Salem e o pintor Paulo Monteiro.

Para completar, a turma convivia com uma finíssima seleção de artistas que Groisman levava ao palco da escola nos fins de semana: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Novos Baianos, Cartola, Clementina de Jesus e outros músicos de peso — que o próprio Groisman buscava antes dos shows em um Fusca branco.

Imagem mostra pátio de escola lotado ao redor de pequeno palco com homem, tocando violão, sentado
O pátio lotado para assistir ao show de Gilberto Gil em voz e violão. (Mario Luiz Thompson/Divulgação)

“Por causa da ditadura, as pessoas não tinham muita possibilidade de se manifestar sem ser perseguidas. Mas o Equipe era um espaço aberto e livre. Ficou conhecido como ‘a ilha da liberdade’”, conta Renata Druck, ex-aluna e uma das diretoras do documentário Educar e Resistir, sobre os cinquenta anos do colégio, que será lançado na quarta-feira (7) no YouTube.

+ “O Coala já não é só um festival, é uma marca de música”, diz sócio-fundador

Daquela efervescência cultural pipocaram os projetos musicais que levaram ao embrião da banda. Eram os grupos Os Camarões, Trio Mamão e as Mamonetes, Maldade e Aguilar & Banda Performática, dos quais emergiu o inédito noneto Titãs do Iê-Iê.

Ao meio-dia de uma quarta-feira de 1981, a trupe apresentou meia dúzia de músicas na Biblioteca Mário de Andrade, no Centro. “A gente estava se formando, nem existíamos como banda (o que aconteceria no ano seguinte). Para ser sincero, nem sei como conseguimos tocar ali, estávamos terminando o colegial ainda”, diz Britto.

Continua após a publicidade
Imagem mostra oito homens sentados em arquibancada de estádio
Na antiga arquibancada do Pacaembu, em 1989. (Eliana Assumpção/Divulgação)

O próximo salto foi o lançamento do disco Titãs, em 1984, que emplacou o primeiro sucesso da banda: Sonífera Ilha, composta por Branco Mello, Tony Bellotto, Marcelo Fromer, Ciro Pessoa e o artista plástico Carlos Barmak.

“Quando conseguimos fazer a música tocar nas rádios, começamos a participar do circuito de danceterias, que tinha um público grande. Mas éramos uma espécie de patinho feio. Tínhamos só uma música conhecida, tocávamos um repertório curto. Em geral, o público não estava ali exatamente para nos ver”, relembra Britto.

“Íamos ao Madame Satã, ao Rádio Clube, ao Radar Tantã, a casas gays, ao Village Station. Eram muitos lugares, em bairros diferentes, mas ficamos mais conhecidos onde andávamos mais, como os Jardins e Pinheiros”, diz Bellotto.

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Continua após a publicidade

A cena musical dos anos 80 — década do rock no país — tinha sotaques diferentes: no Rio, o Barão Vermelho, os Paralamas do Sucesso e a Blitz; em Brasília, Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial. Na Pauliceia, os Titãs dividiam os holofotes com Ultraje a Rigor e Ira!.

“Talvez o rock que mais demorou para vingar tenha sido o paulistano. O Ultraje havia mostrado o nosso sotaque bem claramente, mas acho que a gente levou isso um passo adiante, porque musicalmente somos mais barulhentos e agressivos — como é a cidade para quem não é daqui”, avalia Sérgio.

A virada definitiva aconteceu no — barulhento — disco Cabeça Dinossauro, de 1986. O álbum trouxe hinos do rock nacional como Homem Primata e Polícia e rendeu o primeiro disco de ouro da banda. “É interessante que o Cabeça Dinossauro ‘aconteceu’ muito rapidamente em São Paulo. Assim que lançamos, fizemos dois shows no Projeto SP, na Augusta, lotados, com as pessoas cantando as músicas de cabo a rabo. No Rio, tocamos no Morro da Urca e tinha trinta pessoas”, diz Britto.

Imagem em preto e branco mostra oito homens sem camisa, com galhos e folhas no corpo
Gravação do clipe de Cabeça Dinossauro, em 1986, no Mato Grosso. (Titãs - A Vida Até Parece Uma Festa/Reprodução)

O álbum marcou uma geração de jovens no país. “Foi um impacto enorme, uma variedade de estilos, uma sonoridade única, uma mistura de bateria eletrônica e acústica, de muitas guitarras. Sou fã dos Titãs desde garoto”, conta Rick Bonadio, 53.

O produtor, que catapultou ao sucesso bandas paulistas como Mamonas Assassinas e Charlie Brown Jr., nasceu e cresceu no bairro de Santana, na Zona Norte. Ali mantém os estúdios da Midas Music, que deram vida ao novo disco dos Titãs — é a segunda parceria dos veteranos, feita pela primeira vez no álbum Sacos Plásticos (2009).

Continua após a publicidade

“Por ser fã, tenho um senso de responsabilidade. Busquei não alterar os arranjos do álbum. Pensava naquilo que eu gostaria de ouvir dos Titãs”, diz Bonadio. O tempo mudou a escalação — Miklos, Nando e Arnaldo têm lançado discos em carreiras-solo —, mas não a sonoridade da banda.

Imagem mostra arte com cinco capas de disco e descrições, ao lado, da importância deles
Quarenta anos em cinco discos. (Veja SP/Reprodução)

Olho Furta-Cor reverbera o som clássico do grupo, sem deixar de apontar para o futuro”, diz Branco Mello, que teve de se distanciar das gravações após a volta de um tumor na faringe, diagnosticado e tratado pela primeira vez em 2018, o que o levou a duas cirurgias em novembro e fevereiro passados. A voz dele foi gravada antes, durante a pré-produção, no estúdio que o músico tem em casa.

+ Pérola Byington muda para novo prédio, perto da Cracolândia, e amplia atendimento

O título do álbum foi pinçado de um poema do concretista paulistano Haroldo de Campos (1929-2003), musicado por Sérgio Britto na faixa São Paulo 3 (duas músicas do disco levam o nome da cidade). “É uma não cor que contém todas as cores, e que representa bem o disco e a própria São Paulo”, conta Britto.

“Nosso som tem a ver umbilicalmente com a imagem e a dinâmica da cidade”, completa Bellotto, que afirma não conseguir passar mais de mês longe da cidade natal.

Imagem mostra cinco homens sentados ao redor de mesas, em ambiente com quadros coloridos na parede
Formação atual: os “agregados” Mário Fabre e Beto Lee, entre Tony e Branco. (Silmara Ciuffa/Divulgação)

Com essa história e essa sonoridade, os Titãs só poderiam lançar o disco na capital paulista. O show será no próximo sábado (10), no Tokio Marine Hall.

“Trago São Paulo dentro de mim, onde quer que eu esteja. Aqueles anos que passamos na cidade, descobrindo nosso som, foram duros… A gente fazia sacrifícios para levar adiante a música que criamos, mas sentíamos que era algo forte”, lembra Bellotto. “É um tempo que nunca sairá de mim, e levarei as mil faces de São Paulo comigo para sempre.”

Show do disco Olho Furta-Cor. 16 anos. Tokio Marine Hall. Rua Bragança Paulista, 1281, Chácara Santo Antônio, ☎ 5646- 2153. → Sáb. (10), 22h. R$ 120,00 a R$ 280,00. tokiomarinehall.com.br.

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 7 de setembro de 2022, edição nº 2805

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.