Continua após publicidade

Café Piu Piu: 40 anos de resistência e música no Bixiga

Conheça a história e os funcionários da casa de shows que continua no mesmo endereço, sob a mesma direção e preservando o mesmo espírito

Por Tomás Novaes
Atualizado em 28 Maio 2024, 09h01 - Publicado em 24 mar 2023, 06h00

No Café Piu Piu, as paredes são decoradas com lembranças de viagens de família e presentes de amigos. Os funcionários colecionam décadas de casa. Os administradores são uma mãe e seu filho. E o imóvel, uma construção que resiste há quarenta anos no mesmo número 134 da Rua Treze de Maio, no Bixiga, região central de São Paulo.

“Quando tem show na cidade, o pessoal tem a referência do Café Piu Piu no Brasil inteiro. Teve show do Coldplay, veio gente do Amazonas, do Nordeste, dizendo que ouviu falar daqui”, conta Paulo Lustig, 50, que hoje é quem administra a casa de shows de perto.

Apaixonado por rock, o carro-chefe do lugar nos últimos anos, o gestor tem sua história misturada com a trajetória daquele espaço — tanto que fez seu casamento no próprio Piu Piu. Ele é filho de Luís Lustig, 84, e Silvia Galant, 76, a dupla responsável pela fundação do estabelecimento.

Imagem mostra construção de prédio com dois homens em cima de parede
Registro raro da construção do Café Piu Piu, em 1983: quatro décadas no mesmo endereço. (Leo Martins/Veja SP)

“A gente nunca foi muito da noite”, diz Silvia, pedagoga de formação, que, em meados da década de 80, deixou a docência na Escola de Comunicações e Artes da USP para gerir o Piu Piu, após se divorciar de Luís.

Foi o engenheiro que, em 1983, transformou o terreno onde funcionava o Teatro 13 de Maio — espaço em que se apresentaram bambas como Jorge Mautner e os Secos & Molhados — na casa noturna que vemos hoje, com a ideia inicial de vender o negócio após pouco tempo de funcionamento.

Imagem mostra mulher de braços cruzados em frente a fachada de bar
Silvia, em frente ao Piu Piu, em 1997: a fachada pouco mudou. (Arquivo pessoal/Divulgação)

As janelas de pinho de riga, as pilastras de tijolos, o piso de pedra, a maior parte do interior do Piu Piu foi concebida por ele na construção, usando materiais de demolição recolhidos pela capital paulista.

Continua após a publicidade

“Eu arrisquei tudo. Fiz tudo o que queria fazer. E inseri coisas antigas. Não tem nada de original, mas o conjunto é agradável”, comentou, em um raro retorno ao local durante a visita da Vejinha .

Entre os clientes e atrações ilustres que passaram pelo espaçoso salão, vieram mestres da bossa nova — como Johnny Alf (1929-2010) e Roberto Menescal —, ídolos do rock — como Andreas Kisser e Edgard Scandurra —, figuras da televisão — como Alessandra Negrini e Jô Soares (1938-2022) —, e até um ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso.

Imagem mostra homem em pé e mulher sentada, com bar ao fundo
Paulo e Silvia, filho e mãe: os administradores do Café Piu Piu. (Leo Martins/Veja SP)

Quem viu e ouviu tudo de perto foram os funcionários veteranos, como o técnico de som Roberto de Moraes, 53, e a auxiliar administrativa Elioena Chaves, 45.

Continua após a publicidade

“Quando os artistas chegam aqui, eles se sentem mais à vontade. Não sei se é a acústica, ou o aconchego de ser um lugar com história”, diz ela, que está há 27 anos na casa e mora a poucas quadras do endereço.

Há 32 anos no estabelecimento, Moraes contou histórias memoráveis com artistas.

“Uma noite, estava tendo um show de blues e chegou um cabeludo com um grupo, vestindo mantos pretos. Era o Alceu Valença e sua banda. Todos subiram para dar uma canja, e tocaram por uma hora. Foi a primeira vez que eu fiz o som de alguém famoso”, lembra Roberto, que começou como garçom e teve a formação bancada por Silvia — histórias como essa são comuns na casa.

“A gente gosta de formar os profissionais”, diz Paulo.

Continua após a publicidade
Imagem mostra dois homens sorrindo, fazendo
Alceu Valença e o técnico de som Roberto de Moraes: noite memorável. (Arquivo pessoal/Divulgação)

Nem uma pandemia tirou o Café Piu Piu do Bixiga. Sem demissões, a família passou pelos anos difíceis de portas fechadas, arcando com os prejuízos.

“Devagarzinho agora estamos voltando, graças a Deus. A gente passou por tanta coisa, ditadura, hiperinflação, mas a casa sempre sobreviveu. Isso mostra que estamos no caminho certo”, comenta Paulo.

Mesmo há tanto tempo na ativa, as novidades não cessam. Planejam comprar um gerador, depois de a energia cair em uma noite de sábado, e preparam uma programação especial de shows para maio.

Continua após a publicidade

Bandas como Almanak, Mr. Legacy e Hot Rocks estão confirmadas. “Sempre fomos avessos aos modismos. E acho que o rock ficou porque é uma coisa atemporal”, diz o administrador.

Para o futuro, está de olho no projeto da Linha 6-Laranja do metrô, que terá uma estação a poucas quadras do Piu Piu. “Isso trouxe ânimo para gente”, diz. “A gente quer que o poder público, assim como nós, cuide do Centro. Nós estamos resistindo aqui há quarenta anos”, resumiu Silvia.

Publicado em VEJA São Paulo de 29 de março de 2023, edição nº 2834

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.