Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Em Terapia Por Arnaldo Cheixas Terapeuta analítico-comportamental e mestre em Neurociências e Comportamento pela USP, Cheixas propõe usar a psicologia na abordagem de temas relevantes sobre a vida na metrópole.

Como saber se falar sozinho é bom ou ruim

Semana passada uma amiga escreveu uma postagem no Facebook perguntando se só ela falava sozinha e como cada um via essa atitude. Foi bacana perceber o elevado grau de empatia nas respostas. Várias pessoas confirmaram que tinham o mesmo comportamento e cada uma relatou seu modo de falar sozinho. Alguns preferem certos lugares, outros preferem certas […]

Por Carolina Giovanelli Atualizado em 25 fev 2017, 21h23 - Publicado em 3 nov 2016, 22h49

falar sozinho

Semana passada uma amiga escreveu uma postagem no Facebook perguntando se só ela falava sozinha e como cada um via essa atitude. Foi bacana perceber o elevado grau de empatia nas respostas. Várias pessoas confirmaram que tinham o mesmo comportamento e cada uma relatou seu modo de falar sozinho. Alguns preferem certos lugares, outros preferem certas situações ou, ainda, determinado momento do dia. Ninguém que escreveu ali percebe esse comportamento como algo que traz sofrimento mas sim como uma experiência agradável, positiva.

A dimensão psicológica de Black Mirror, a série que angustia

Falar sozinho é bom em diversas ocasiões mas também pode ser sinal de problemas. Então é importante saber diferenciar uma situação da outra. Há dois critérios de ouro que identificam o falar sozinho saudável:

1) A pessoa sabe que está falando sozinha.

2) A pessoa não ignora os presentes enquanto fala consigo mesma.

Obedecidos esses dois critérios, falar sozinho é útil para algumas finalidades. A fala autodirigida ajuda a organizar o pensamento; isso porque facilita a manutenção da atenção no conteúdo relevante do pensamento, evitando que “distratores” no ambiente capturem a atenção e interrompam o pensamento em curso.

Continua após a publicidade

Em momentos de tomada de decisão isso se torna crucial, já que sempre há algum stress envolvido. Nesse caso falar consigo, além de auxiliar no raciocínio, também ameniza o stress, sabidamente um forte elemento a atrapalhar a cognição. Os japoneses há 100 anos usam essa estratégia, combinada com a gesticulação, na manutenção das linhas férreas. A técnica é chamada de shisa kanko (apontar e falar) e reduziu os acidentes de trabalho em 70%.

Falar sozinho também facilita a memorização de informação nova, de modo que estudar em voz alta é um recurso poderoso para consolidar o conteúdo aprendido. Isso acontece porque há mais redes cerebrais ativas quando utilizamos mais de uma modalidade sensório-motora e isso fortalece os elos entre elas, como já vimos anteriormente.

Outro contexto que evidencia a utilidade da fala autodirigida é o dos esportes, no qual o ganho tem a ver com a motivação. É comum atletas profissionais falarem sozinhos durante uma partida. Isso é notável, por exemplo, no tênis, mas basicamente é funcional em qualquer modalidade. Um desdobramento possível disso ocorre em situações de grande privação, como quando alguém sobrevive a dias de soterramento após um terremoto. É essencial falar ideias de incentivo a si mesmo como forma de manter a motivação e o engajamento voltados para a sobrevivência.

É notável como crianças pequenas falam sozinhas. Elas como que narram tudo o que estão fazendo. Isso é importante para auxiliá-las na aquisição de novos conhecimentos e habilidades. Na medida em que o desenvolvimento avança e elas passam a ter maior domínio sobre o ambiente, a fala autodirigida vai desaparecendo aos poucos.

Os adultos, portanto, tendem a falar sozinhos enquanto mantém contato com informação nova. A ideia propagada de que falar sozinho é sinal de que a pessoa é um gênio não é verdadeira. O que ocorre é que quem fala bastante sozinho normalmente (não em todos os casos) é alguém que mantém o contato com informações novas e desenvolve novas habilidades.

Falar sozinho se mostra sinal de problema quando ao menos um dos dois critérios de ouro não é satisfeito, ou seja, quando a pessoa não sabe que está falando sozinha ou quando ela ignora outros presentes ao fazer isso. Nesse caso a fala autodirigida pode ser sinal de patologias psicóticas (aquelas nas quais há um rompimento com a realidade), da presença de alguns transtornos de personalidade ou do abuso de substâncias químicas.

Obedecidos os dois critérios de ouro, falar sozinho é ótimo para a saúde e para o bem-estar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)