Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Uma mulher passou 28 anos com uma lente de contato no olho

A paciente procurou o médico após notar que a pálpebra superior do olho esquerdo estava inchada, assim como um caso leve de ptose

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 5 fev 2020, 13h52 - Publicado em 16 ago 2018, 20h04

Uma mulher de 42 anos do Reino Unido passou 28 anos com uma lente de contato presa ao olho sem saber que o acessório estava lá, diz um estudo publicado no jornal BMJ Case Reports. A paciente procurou o médico após notar que a pálpebra superior do olho esquerdo estava inchada, assim como um caso leve de ptose — ou seja, sua pálpebra numa posição anormalmente baixa.

O inchaço começou como um caroço do tamanho de uma ervilha que ficou cada vez maior e dolorido ao toque. Uma ressonância magnética mostrou que o nódulo era um pequeno cisto e foi apenas na cirurgia para removê-lo que os médicos foram surpreendidos: assim que o cisto foi removido, ele se rompeu, revelando uma única e craquelada lente de contato.

A lente de contato usada pela paciente eram de contato gás permeáveis (RPG). Diferente das lentes flexíveis usadas atualmente, elas são mais antigas e foram usadas pela primeira vez na década de 60. Elas são mais duras que as lentes modernas, o que significa que elas podem ser desconfortáveis no começo. As lentes também pode sair mais facilmente do olho, acidentalmente. Foi assim que os médicos descobriram que o acessório passou 28 anos no olho da mulher: a última vez que ela usou lentes de contato rígidas foi quando ela tinha 14 anos de idade — na época, ela foi atingida por um bastão de badminton e as pessoas acharam que a lente tivesse caído com o impacto, mas todos estavam muito errados.

Nós podemos deduzir que as lentes RPG migraram até a pálpebra superior da paciente na época do acidente e estão no mesmo local há 28 anos“, explicou o Dr. Sirjhun Patel, do deparamento de oftalmologia da Universidade de Dundee, no Reino Unido. Mesmo após todos esses anos, a única indicação de que algo estava errado foi o pequeno cisto e a queda de sua pálpebra superior. Os médicos ainda não sabem por que o olho da mulher começou a inchar apenas agora, mas se isso não tivesse acontecido as lentes provavelmente ficariam perdidas para sempre.

As informações são do BuzzFeed.

Dê sua opinião: E você, o que achou da história da paciente? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook!

Continua após a publicidade

Publicidade