Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Mattheus Goto

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Um guia com críticas, notícias, entrevistas e eventos sobre as estreias da semana no cinema e no streaming
Continua após publicidade

Em ‘Vermelho Monet’, Halder Gomes faz mergulho no mundo da arte

Drama traz Maria Fernanda Cândido e Chico Díaz como personagens complexos que levantam discussão sobre a pintura como mercadoria

Por Lorena Tabosa
9 Maio 2024, 19h30

✪✪✪✪ Diferente das comédias já lançadas pelo diretor Halder Gomes (Cine Holliúdy e Os Parças), Vermelho Monet, em cartaz nos cinemas, discute a arte enquanto sentimento e sua transformação em mercadoria. O pintor Johannes Van Almeida (Chico Díaz) nunca recebeu a aceitação do mercado e está perdendo a visão em cores. O único tom que lhe guia é o ruivo dos cabelos de sua amada Adele (Gracinda Nave), já doente e pouco responsiva, que reaparece nos cabelos da atriz Florence Lizz (Samantha Müller), sua nova musa inspiradora.

vermelho-monet-filme
Samantha Muller como Florence Lizz, musa do protagonista (Divulgação/Divulgação)

Johannes busca criar uma obra-prima sob a pressão da influente marchand Antoinette Lefèvre (Maria Fernanda Cândido). Velha parceira do pintor, ela tem um papel-chave na trama, que se passa em Portugal e envolve grandes leilões de arte e o debate sobre falsificações.

vermelho-monet
Maria Fernanda Cândido é a implacável Antoinette (Divulgação/Divulgação)

Antoinette quer conquistar o topo do mundo das artes plásticas, mesmo que seja preciso cometer fraudes para chegar lá. “Antoinette vive o dilema de ser uma apaixonada pela arte e, ao mesmo tempo, estar seduzida pelos jogos de poder”, diz Maria Fernanda, em entrevista a Vejinha.

Continua após a publicidade

Recentemente em cartaz com A Paixão Segundo G.H., a atriz vive um período de grandes personagens no cinema e entrega uma ótima performance. Ela também acaba de ser anunciada no novo longa de Kleber Mendonça Filho, O Agente Secreto, protagonizado por Wagner Moura, ainda sem data de estreia.

Pano de fundo do longa de Halder Gomes, a pintura é uma paixão compartilhada pelo diretor e por Chico Díaz. “Sou apaixonado por desenho e pintura desde a infância. Passo grande parte do meu tempo desenhando, pintando, lendo sobre pintores ou viajando para ver museus. Chegou o momento em que, depois de acumular tanta coisa, veio o desejo de transformar isso em filme”, afirma Gomes.

Também pintor, Chico Díaz entrega toda a complexidade de Johannes em cena. “É um privilégio pegar um personagem com tamanha densidade e dimensão humana, artística e estética”, reflete.

Continua após a publicidade
vermelho-monet
Chico Díaz na pele do pintor Johannes (Divulgação/Divulgação)

Com fotografia de Carina Sanginitto e direção de arte de Juliana Ribeiro, o longa dança na tela, com passos que até olhos menos acostumados a filmes de arte conseguem acompanhar. É o primeiro de uma trilogia planejada por Gomes, e o próximo deverá ser Azul Vermeer. A arte latente e a profundidade dos personagens fazem de Vermelho Monet um filme para lembrar.

Publicado em VEJA São Paulo de 10 de maio de 2024, edição nº 2892

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.