Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Novo Pânico acerta na atualização da franquia de terror

Filme consegue brincar com o próprio legado sem perder a essência; produção já está em cartaz nos cinemas

Por Barbara Demerov Atualizado em 13 jan 2022, 17h55 - Publicado em 13 jan 2022, 17h10

✪✪✪ Pânico, quinto capítulo da franquia de horror criada por Wes Craven (morto em 2015), está em cartaz nos cinemas. Com direção de Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett, o longa se passa 25 anos após uma série de assassinatos brutais chocar a tranquila cidade fictícia de Woodsboro.

+ SAG Awards 2022 divulga lista de indicados

Tendo como base o universo já conhecido pelos fãs e destacando o retorno de personagens icônicos como Sidney Prescott (Neve Campbell), Dewey Riley (David Arquette) e Gale Weathers (Courtney Cox), sobreviventes dos ataques, a produção brinca com o próprio legado ao mesmo tempo que não deixa pontas soltas.

O roteiro aborda — entre uma cena com mortes violentas e outra — o peso que o filme original, de 1996, possui até hoje no gênero slasher (estilo que sempre envolve psicopatas) e, de forma surpreendente, na própria ficção. Como isso é feito? Assim como a personagem Gale escreveu sobre os traumáticos eventos que viveu ao longo dos anos, os jovens que cresceram ouvindo as histórias da figura de Ghostface também demonstram curiosidade acerca do tema.

É dessa forma que, em tempos de redes sociais, um novo assassino se apropria da máscara e da macabra identidade para começar a perseguir um grupo de adolescentes. A protagonista Sam Carpenter (Melissa Barrera), dona de um passado sombrio, é o novo alvo da vez e precisa encontrar uma forma de deter o(a) assassino(a), além de salvar a irmã Tara (Jenna Ortega) da ameaça.

Continua após a publicidade

Com boas surpresas e sequências de embrulhar o estômago, Pânico encontra um meio-termo que não chega nem perto de invalidar sua essência tradicional e, o mais importante, faz com que o formato de terror não soe ultrapassado em 2022.

Os diretores e os roteiristas James Vanderbilt e Guy Busick modernizam os conceitos de forma bem embasada e equilibram o uso das infinitas referências próprias com a apresentação de novos personagens. Há, ainda, pequenas homenagens ao terror ao longo da projeção — como no sobrenome de Sam, que remete ao diretor John Carpenter e seu Halloween.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

 

Publicado em VEJA São Paulo de 19 de janeiro de 2022, edição nº 2772

Continua após a publicidade

Publicidade