Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

A Mão de Deus: drama italiano mostra olhar sensível sobre a adolescência

Filme dirigido por Paolo Sorrentino (A Grande Beleza) foi agraciado no Festival de Veneza em 2021 com o Prêmio do Júri; está disponível na Netflix

Por Barbara Demerov Atualizado em 13 jan 2022, 17h56 - Publicado em 14 jan 2022, 06h00

✪✪✪ A Mão de Deus, filme disponível na Netflix, é dirigido, roteirizado e produzido por Paolo Sorrentino (A Grande Beleza) e foi agraciado no Festival de Veneza em 2021 com o Prêmio do Júri. Na trama, Fabietto (Filippo Scotti) é o alter ego do cineasta italiano e possui uma trajetória repleta de altos e baixos, ambientada em um ponto marcante de sua adolescência.

Fã do jogador de futebol Diego Maradona e curioso a respeito do trabalho do cineasta Federico Fellini (um grande ídolo de Sorrentino na vida real), o protagonista vive em Nápoles com seus pais amorosos. Saverio Schisa (Toni Servillo) e Maria Schisa (Teresa Saponangelo) têm problemas na relação, mas nunca poupam afeto a Fabietto e seus dois irmãos. Aliás, boa parte dos grandes momentos do longa é marcante graças à presença dos genitores.

+ The Batman, Top Gun 2 e mais: os filmes mais aguardados de 2022

Sorrentino filma detalhes de sua própria história — incluindo uma grande tragédia que moldou novos rumos — com delicadeza e talento. Apesar de a narrativa não levar Fabietto a muitos lugares diferentes, A Mão de Deus possui uma dinâmica agradável, que faz com que as mais de duas horas de projeção mal sejam sentidas.

Na verdade, é justamente por se passar majoritariamente na cidade natal do diretor que o filme ganha tanta potência. Acima de qualquer coisa, este é um conto sobre amadurecimento e os ensinamentos que surgem nos momentos mais difíceis — assim como grandes inspirações

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 19 de janeiro de 2022, edição nº 2772

Continua após a publicidade

Publicidade