Imagem Blog

A Tal Felicidade

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Buscando respostas do universo: como ouvir um oráculo

A artista plástica Elisa Stecca disserta sobre o querer e como o cosmos pode contribuir para a realização dos desejos

Por Elisa Stecca, em depoimento a Helena Galante
28 out 2022, 06h00

No princípio era o caos, depois, o verbo.

Verbo, palavra, nome de coisas e de pensamentos, o que torna real um conceito e cria todas as formas.

Além de linda premissa, a mais clássica das cosmogonias ocidentais, a frase chama a atenção para o anseio primordial de explicar o mistério do mundo, o que pensamos individual e coletivamente e o que nos une, afinal, desde que a humanidade é humanidade, o subjetivo anda colado à concretude da vida.

+ Vai passar: Becky Korich reflete sobre a dor, o tempo e a vida

Talvez memória inconsciente por sermos “poeira de estrelas”, talvez porque a realidade nunca tenha bastado, a ideia da existência de uma esfera maior, de pertencer a um todo, de uma sabedoria que organiza tudo motivou o ser humano a se desenvolver fora dos instintos.

Continua após a publicidade

Esse é o conhecimento que os oráculos representam. A palavra oráculo está ligada à Grécia (lembra do Oráculo de Delfos, em cujo portal estava escrito “Conhece-te a ti mesmo”?) e tornou oficial um costume para lá de antigo: buscar, por meio de conteúdos místicos, respostas na sabedoria que permeia o Universo.

Pessoalmente sempre fui afeita a oráculos. Comecei pela astrologia, mas tenho nas runas e, principalmente, no tarô mitológico a minha predileção.

Experimento nas dinâmicas um conforto íntimo, algo como a antítese da máxima popular “se conselho fosse bom, era vendido e não dado”, uma sinalização de caminho, um alívio e um certo compartilhar de responsabilidade na tomada de decisões, um quê de humildade na escuta por seguir sugestão ainda não cogitada, mas que faz todo o sentido.

Porém, existe uma sombra no hábito de consultar um oráculo, exatamente esse alívio que, levado às últimas consequências, pode acenar para um eximir-se de responsabilidade, deixar que decidam por nós, o que reafirma o empurra-empurra da eterna criança que não toma para si as rédeas de sua vida e se vê confortavelmente no papel de vítima do destino. Algo que pode virar vício e até fanatismo.

Continua após a publicidade

Tenho amigos que viajam para os mais longínquos lugares para passar o aniversário por ser mais auspicioso, astrologicamente falando; outros que não iniciam relacionamentos sem consultar cartomantes; e os mais bandeirosos, que mudam grafias de nomes em razão da numerologia. Sem contar o padrão chato que nos faz seletivos na hora de ouvir uma resposta: se eu gosto, está correto, senão, o oráculo nada sabe.

+ Ressignificar emoções, dormir melhor, cuidar do intestino: o bem-estar

Em minhas consultas, várias vezes virei cartas até tirar a que acenava para a direção que eu queria, como que trapaceando o universo, em vez de ouvi-lo.

Uma das coisas mais difíceis da vida é definir o que se deseja, para em seguida fazer o pedido e então pedir aquela forcinha do cosmo para sua concretização.

Continua após a publicidade

O mais comum é saber o que não se quer, tampouco se contentar com o que vem por aí.

Já escrevi três livros e em ambos tive o cuidado de atentar para o fato de que a resposta é sempre correta, a pergunta é que pode não estar sendo feita de forma clara e objetiva.

Não é justo deixar tudo nas costas do universo, afinal, ele não pode entregar o que não se sabe pedir.

Nomear desejos é tarefa primeira, é ordenar o caos e ir para o verbo ou talvez usar o verbo para sair do caos e depois, silenciar, para refletir e assimilar.

Continua após a publicidade

Perguntar é fundamental, mas igualmente importante é ouvir o oráculo. Nessa hora, quem conhece a si mesmo leva vantagem.

Foto de Elisa Stecca, usando camiseta colorida e sorrindo
Elisa Stecca é artista plástica e autora de Pergunte ao Oráculo, Hoje É o Dia Mais Feliz da Sua Vida (Matrix Editora) e Improvável (Ed. da Autora/Sec. Cultura do Estado de São Paulo). (Fabio Correa/Divulgação)

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+ Assine a Vejinha a partir de 9,90.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 2 de novembro de 2022, edição nº 2813

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.