A Tal Felicidade

Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Escritora fala sobre seu diagnóstico de autismo na fase adulta

Para Jo Melo, a descoberta foi o primeiro passo para o autoconhecimento e a aceitação de si mesma

Por Jo Melo, em depoimento a Helena Galante
20 out 2023, 11h20
  • Seguir materia Seguindo materia
  • Há cerca de três anos, me deparei com uma postagem no Facebook sobre um colega que havia recebido o diagnóstico de autismo. Uma luz acendeu ao ler cada um dos tópicos e me identificar com todos. Depois disso, passei a buscar mais informações sobre o tema.

    Publicidade

    O espectro autista é um transtorno do neurodesenvolvimento que afeta diversos aspectos da vida de uma pessoa, seja ela adulta ou criança. Envolve sensibilidades sensoriais, dificuldades na interação social, na comunicação e outros desafios. Além disso, como o nome sugere, o autismo é um espectro, o que significa que nem todas as pessoas apresentam as mesmas características. Portanto, é necessário que um médico psiquiatra ou neurologista realize uma avaliação detalhada para fechar o diagnóstico.

    Publicidade

    Para entender mais sobre, devorei muitos conteúdos, meu hiperfoco em escrita e pesquisa me fez entender e querer saber mais sobre o assunto. Assim, procurei profissionais que pudessem me dar a resposta que eu tanto queria.

    Passei por avaliação neuropsicológica e, três meses depois, após receber uma hipótese diagnóstica composta de catorze páginas, não fechei para autismo. Segundo a profissional, eu demonstrava empatia e não apresentava movimentos repetitivos. No entanto, essas falas de que “autistas não têm empatia” foram refutadas por vários profissionais especialistas. Diante da negativa, eu havia recebido o laudo de transtorno afetivo bipolar.

    Publicidade

    De 2020 a 2023, passei por experiências que incluíram a troca de medicamentos, ida a hospital psiquiátrico e crises, decidi consultar outra psicóloga. Após várias sessões, ela, sem conhecimento prévio do meu histórico de busca pelo transtorno do espectro autista (TEA), sugeriu que eu poderia ter muitas características autísticas e que precisávamos investigar. Pronto! Foi como se todas as minhas dúvidas enterradas ressurgissem, e eu fiquei com ainda mais vontade de entender o que estava acontecendo comigo.

    Continua após a publicidade

    Com muito esforço, economizei dinheiro e consegui uma consulta com um psiquiatra especializado em TEA em adultos. Após discussões e o envio da minha avaliação neuropsicológica anterior, ele finalmente me deu o laudo. E, em letras quase garrafais, eu li: “Você é autista!”. No início, fiquei sem reação. Eu ansiava por respostas, mas, mesmo tendo procurado por elas, não sabia como reagir.

    Publicidade

    Receber um diagnóstico é como receber uma prova de quinze páginas, junto com todas as respostas. É como ter todas as dúvidas esclarecidas. Ter um diagnóstico é como receber uma autorização para ser você mesma, sem medo de ser excluída, mesmo que isso signifique agir de maneira “esquisita”. É se permitir chorar sem culpas por ser metódica, organizada e desejar solidão quando as pessoas estão rindo alto demais. É entender que está tudo bem recusar convites de amigos para shows, shoppings ou bares porque você se sente sobrecarregada com estímulos demais ao mesmo tempo.

    +Cinemas deverão ter sessão adaptada para crianças e adolescentes autistas

    Publicidade

    A felicidade em receber um diagnóstico é como se alguém tivesse chegado até mim e dito: “Agora você não precisa mais se esconder atrás de máscaras com medo de ser excluída”.

    A jornada em direção à felicidade, a partir do momento do laudo, envolve me compreender cada vez mais e aceitar a minha própria natureza, sem tentar me encaixar em moldes que não são meus. O autismo não é moda; as pessoas, assim como os profissionais, têm acesso a mais informações sobre o tema, o que tem levado a um aumento significativo nos diagnósticos.

    Publicidade
    Continua após a publicidade

    Daqui em diante, espero que muitas pessoas encontrem as respostas que procuram, que busquem o autoconhecimento, com ou sem diagnóstico, e entendam que, independentemente de qualquer laudo, ser quem são e poder mostrar isso aos outros é libertador.

    jo-melo-escritora
    Jo Melo (@a.jomelo) é mãe, escritora, neuroatípica, editora da revista Mães que Escrevem e autora do livro Hipérboles, premiado na Suíça. (Arquivo Pessoal/Divulgação)

    A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br.

    Publicado em VEJA São Paulo de 20 de outubro de 2023, edição nº 2864

    Compartilhe essa matéria via:

     

    Publicidade
    Publicidade

    Essa é uma matéria fechada para assinantes.
    Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Domine o fato. Confie na fonte.
    10 grandes marcas em uma única assinatura digital
    Impressa + Digital no App
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital no App

    Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

    Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
    *Para assinantes da cidade de São Paulo

    a partir de 49,90/mês

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.