Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Fernanda Diamant não é mais curadora da Flip

Em carta, ela explica a decisão de deixar o cargo, bem como sua posição diante da nova data do evento

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 12 ago 2020, 22h28 - Publicado em 12 ago 2020, 22h21

A editora Fernanda Diamant renunciou ao cargo de curadora da décima oitava edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) nesta quarta (12). Em carta divulgada pelo jornal O Globo, Fernanda explica que foi contra a nova data do evento, remarcado para novembro, devido à pandemia, e que que nesse momento ela acredita que seja importante uma pessoa negra ocupar esse posto.

“Ao longo de 18 anos, a curadoria da Flip jamais foi ocupada por uma pessoa negra. Passou da hora disso mudar. Como curadora, entendo que é meu papel levar em conta questões artísticas e políticas (sendo que a arte, por sua vez, é sempre política). Por essa razão, decidi pedir demissão e declarar meu desejo de ceder esse espaço de privilégio de forma pública. A direção da Flip reagiu positivamente à minha ideia, o que me deixa esperançosa. Sou sinceramente grata a Flip por tudo que pude aprender e criar nesse trabalho, que é acima de tudo coletivo”, disse a editora no trecho final da carta.

Fernanda foi curadora da Flip em 2019, quando o escritor homenageado foi Euclides da Cunha (1866-1909). Em 2020, esse lugar seria ocupado pela escritora americana, que viveu no Brasil, Elizabeth Bishop (1911-1979). A escolha gerou críticas, o que também motivou menção na carta da editora agora: “A ousadia de decidir pela primeira vez por uma estrangeira me pareceu um bom desafio: num momento de fechamento de fronteiras e acirramento de nacionalismos, me parecia ser oportuno olharmos para fora como modo de olharmos também para dentro. E, ainda, seria uma forma de prestar homenagem também aos grandes tradutores de poesia no país. O Brasil tem uma tradição fortíssima de tradução, que é desconhecida de muitos. Além disso, a própria Bishop verteu poesia brasileira para o inglês, apresentando ao mundo anglófono escritores como Drummond e Clarice Lispector. O fato da poeta ser homossexual também pesou — lembrando que o preconceito com a população LGBTQI+ vem num crescente no Brasil. Dentro de minha curadoria, pretendia ressaltar sua biografia multifacetada, trágica e queer.”

Confira abaixo a carta de Fernanda Diamant na íntegra.

Continua após a publicidade

A Flip é um dos oásis culturais do Brasil. A Festa, cada vez menos elitista em decorrência do aumento das chamadas casas parceiras, concentra discussão de ideias, apoio à leitura e aos livros, divulgação e revelação de autores, encontro entre pessoas, liberdade de expressão, celebração. Desde a curadoria de Josélia Aguiar, o programa principal também passou a ser mais diverso. Há ainda a biblioteca comunitária mantida pela Flip que funciona o ano todo na Ilha das Cobras — uma das áreas mais vulneráveis da cidade de Paraty —, agora ameaçada por falta de recursos.

Em agosto de 2018, aceitei o convite para ser a curadora da Festa da Literatura Internacional de Paraty de 2019. Euclides da Cunha, o autor homenageado, foi uma escolha de comum acordo entre curadoria e direção artística. Dos cinco autores mais vendidos em Paraty em 2019, quatro são autores negros e um indígena — Grada Kilomba, Ayobami Adebayo, Kalaf Epalanga, Gael Faye e Ailton Krenak. Foi a primeira vez que isso aconteceu. A escritora Marilene Felinto acusou o racismo de Euclides em sua participação, questão que também foi bastante discutida no Ciclo do Autor Homenageado, uma parceria que a Flip faz com o Sesc CPF, e que teve minha curadoria em parceria com a professora Walnice Nogueira Galvão.

A boa recepção da Flip com Euclides da Cunha fez com que o convite para a curadoria se repetisse em 2020. Minha principal exigência para seguir era que a homenageada fosse dessa vez uma mulher. Tendo isso em mente, optamos por homenagear Elizabeth Bishop, novamente uma escolha compartilhada entre curadoria e direção artística (era desejo antigo da Flip homenagear Bishop). A ousadia de decidir pela primeira vez por uma estrangeira me pareceu um bom desafio: num momento de fechamento de fronteiras e acirramento de nacionalismos, me parecia ser oportuno olharmos para fora como modo de olharmos também para dentro. E, ainda, seria uma forma de prestar homenagem também aos grandes tradutores de poesia no país. O Brasil tem uma tradição fortíssima de tradução, que é desconhecida de muitos. Além disso, a própria Bishop verteu poesia brasileira para o inglês, apresentando ao mundo anglófono escritores como Drummond e Clarice Lispector. O fato da poeta ser homossexual também pesou — lembrando que o preconceito com a população LGBTQI+ vem num crescente no Brasil. Dentro de minha curadoria, pretendia ressaltar sua biografia multifacetada, trágica e queer.

Para além da homenagem, eu havia decidido que pelo menos metade dos convidados de 2020 seriam autoras e autores negros, o que também seria inédito. Eu já tinha a maior parte dos convites confirmados quando veio a Covid 19. Desde o princípio defendi que não se poderia definir prematuramente uma nova data para o evento. À minha revelia, a Flip foi postergada para novembro. A pandemia se agravou, a condução genocida que o governo federal fez da crise sanitária deixou tudo muito sombrio. Cada vez mais me parecia que a celebração desenhada previamente pertencia a uma outra época e tinha perdido sentido. Não havia nada a ser comemorado. Ainda não há. Era preciso repensar a curadoria e até mesmo o próprio evento — virtual ou não — à luz dos acontecimentos.

Ainda, em meio às denúncias crescentes do movimento negro brasileiro, veio o brutal assassinato de George Floyd nos Estados Unidos, no dia 25 de maio, e a poderosíssima reação impulsionada pelo movimento Black Lives Matter. Esses dias mais intensos de levante antirracista me fizeram entender que precisamos lutar mais ativamente, agir da forma mais contundente possível. Mais que uma programação com autoras e autores negros, a Flip agora precisa de uma curadora negra para reinventá-la nesse mundo pós pandemia. Uma mulher negra, na minha opinião, é a renovação que o evento mais importante da literatura do país precisa. Ao longo de 18 anos, a curadoria da Flip jamais foi ocupada por uma pessoa negra. Passou da hora disso mudar. Como curadora, entendo que é meu papel levar em conta questões artísticas e políticas (sendo que a arte, por sua vez, é sempre política). Por essa razão, decidi pedir demissão e declarar meu desejo de ceder esse espaço de privilégio de forma pública. A direção da Flip reagiu positivamente à minha ideia, o que me deixa esperançosa. Sou sinceramente grata a Flip por tudo que pude aprender e criar nesse trabalho, que é acima de tudo coletivo.

Continua após a publicidade

Publicidade