Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Victor Chaves vira réu em caso de agressão contra a mulher

Pedido do Ministério Público de Minais Gerais foi aceito por uma das varas que trata de violência doméstica

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 10 abr 2017, 16h16 - Publicado em 10 abr 2017, 16h15

O sertanejo Victor Chaves se tornou réu no caso de agressão contra a esposa Poliana Bagatini. Uma das varas especializadas em violência doméstica de Belo Horizonte acatou o pedido feito pelo Ministério Público de Minas Gerais na sexta (7) e decidiu ir adiante com as investigações. O processo corre em segredo de Justiça.

Dias antes, ele foi indicado pela Polícia Civil do estado com base na análise dos arquivos de câmeras de segurança. Segundo informações de VEJA, as imagens mostram Chaves empurrando a esposa, grávida de quatro meses na época.

“A PCMG concluiu pelo indiciamento de Victor Chaves pela contravenção penal prevista no artigo 21, do Decreto Lei 3.688/41, vias de fato, conforme demonstrado no laudo pericial das imagens das câmeras de segurança do prédio e pelo depoimento da vítima”, dizia o comunicado oficial. Victor sempre negou as agressões.

Quando o comunicado veio a público, o músico publicou no Instagram um vídeo no qual afirma que a suposta agressão teria sido “um ato de desespero para conter uma pessoa que estava completamente fora de si“, afirmando que a mulher estaria tentando segurar a filha do casal, de 1 ano de idade.

Continua após a publicidade

O caso

Poliana Bagatini foi à polícia no dia 24 de fevereiro e acusou o sertanejo de jogá-la no chão e chutá-la várias vezes. O casal havia discutido no apartamento onde vivem, em Belo Horizonte. À época, ela preferiu não fazer o exame de corpo de delito, que só foi concluído no dia 3 de março.

No domingo seguinte (26), Victor deu entrevista ao Fantástico negando as acusações e dizendo que nunca agrediu “absolutamente ninguém”. Poliana e os familiares estavam presentes no local, mas só apareceram de costas.

No dia 13 de março, e Divisão Especializada no Atendimento à Mulher, ao Idoso e à Pessoa com Deficiência (Demid) anunciou que o laudo do IML sobre lesão corporal contra Poliana deu negativo. Entretanto, o órgão deixou claro que ainda aguardava o resultado da perícia realizada nas câmeras de segurança do prédio para concluir a investigação.

(Com informações de Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade