Continua após publicidade

Estacionar é um martírio

Quem opta por parar o carro em ruas próximas costuma ser achacado por flanelinhas

Por Daniel Salles e Giovana Romani
Atualizado em 5 dez 2016, 18h15 - Publicado em 5 mar 2011, 00h50

A sede da PUC é frequentada diariamente por quase 16.000 pessoas. Com tanta gente indo e vindo, encontrar um lugar seguro para guardar o carro por ali é uma tarefa árdua e necessária — o bairro de Perdizes é um dos campeões da cidade em furtos e roubos de veículos. As catorze garagens que rodeiam a universidade cobram cerca de 250 reais de mensalidade, no período noturno. Quem opta por parar em ruas próximas costuma ser achacado por flanelinhas, que reservam vagas com cones e cavaletes.

Na manhã da última terça (1º), a reportagem de VEJA SÃO PAULO tentou estacionar na Rua João Ramalho, ao lado da PUC. “Aqui é preciso deixar 80 reais por mês adiantado e a chave do veículo fica comigo”, informou um rapaz que se identificou como Marquinhos. O problema se repete em outras faculdades. Quem se sentir coagido a abrir a carteira poderá chamar a polícia e alegar ter sido vítima do crime de constrangimento ilegal. A pena para esse delito varia de três meses a um ano de detenção ou multa.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.