Continua após publicidade

STF valida acordo entre União e prefeitura de SP sobre Campo de Marte

Ato encerra uma disputa de mais de 60 anos e dá fim a dívida de R$ 25 bilhões da cidade com governo federal

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
29 mar 2022, 12h27

A disputa que perdurava 64 anos a respeito do Campo de Marte entre a Prefeitura de São Paulo e o governo federal finalmente acabou com a homologação do acordo que prevê a troca da dívida da administração municipal –fixada em R$ 25 bilhões– pela área.

+PF faz megaoperação contra desvios na saúde e educação em Guarujá

A homologação foi feita nesta segunda-feira (28) pelo ministro Kassio Nunes Marques, em seu gabinete no STF (Supremo Tribunal Federal), e contou com ainda com a presença do advogado-geral da União, Bruno Biano, prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), e a procuradora-geral do município, Marina Magro.

Conforme revelou reportagem da Vejinha no dia 17 deste mês, o acordo firmado entre o prefeito e o presidente Jair Bolsonaro (PL) leva o município a deixar de pagar R$ 250 milhões de reais por mês à União, o que pode dar um fôlego de R$ 3 bilhões aos cofres públicos municipais. Apesar de ser considerada uma vitória do emedebista, há quem coloque lupa nos números do acordo e enxergue desvantagens. Saiba os motivos clicando neste link.

Continua após a publicidade
O prefeito Ricardo Nunes e o presidente Jair Bolsonaro após assinar acordo sobre o Campo de Marte
O prefeito Ricardo Nunes e o presidente Jair Bolsonaro após assinar acordo sobre o Campo de Marte (Divulgação/Veja SP)

+Campo de Marte: Bolsonaro assina acordo com Nunes e São Paulo encerra litígio judicial de seis décadas

O acordo prevê que o governo federal fique com 81% da gigante área de 2,1 milhões de metros quadrados (equivalente aos parques Ibirapuera e Villa Lobos juntos). Os 19% restantes ficarão com a prefeitura (cerca de 460 000 metros quadrados). A ideia é que o espaço receba uma grande área de lazer.

Continua após a publicidade

História

A área do Campo de Marte foi cedida pela prefeitura ao estado em 1912 para que fossem feitos exercícios do Corpo de Cavalaria. Mais tarde, foi usada pela aviação militar estadual. Com a Revolução Constitucionalista, em 1932, a área foi apossada pela União, uso que foi questionado 26 anos depois, em 1958, quando a prefeitura entrou com uma ação para que fosse feita a reintegração de posse.

O caso foi discutido em todas as esferas da Justiça brasileira. O acordo extrajudicial dá fim a esse litígio.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.