Continua após publicidade

Soldado da PM denuncia homofobia após ‘piada’ com emoji de berinjela

Guilherme Vicente se sentiu ofendido por colegas da corporação que trocaram foto de seu filho prematuro por legume

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 Maio 2021, 18h37 - Publicado em 28 Maio 2021, 18h35

Um soldado da Polícia Militar de São Paulo acusa um sargento e outros policiais militares da corporação de homofobia e difamação por fazerem insinuações sobre sua sexualidade. Eles colocaram um emoji de berinjela numa foto em que Guilherme Ferreira Vicente, do 13º Batalhão da PM, da Companhia Tática Nova Luz, aparece segurando o filho com a esposa. 

O casal comemorava nesta quarta-feira (27) o ‘aniversário’ de um mês de vida do filho, que nasceu prematuro, quando o soldado recebeu prints da montagem com ofensas homofóbicas, que ocorreram em grupos de policiais da corporação no WhatsApp.

imagem dividida, dois prints, em ambos, comentários homofóbicos a respeito de conteúdos sobre Guilherme
Prints com comentários homofóbicos feitos em grupos de WhatsApp da PM contra Guilherme, por seu vídeo em que falava sobre berinjela (Reprodução/Arquivo Pessoal/Veja SP)

Nesta quinta-feira (27), a Polícia Militar informou que “não compactua com nenhum tipo de discriminação” e que está apurando a denúncia. A vítima também registrou boletim de ocorrência eletrônico para denunciar os crimes.

Continua após a publicidade

Guilherme diz que é heterossexual. Ele é influenciador digital, além de policial, e alega que resgataram um vídeo que ele gravou para seus seguidores em que ele diz: “Estou com uma vontade louca de comer berinjela. É bom berinjela?”, seguido de uma enquete. O emoji do legume é frequentemente associado a um pênis, por isso a montagem feita tem cunho sexual e difamatório, segundo ele.

“Estou fazendo esse vídeo de revolta. Porque é o seguinte: eu sofri difamação. E usaram da sexualidade para me atingir de alguma forma”, disse Guilherme em vídeo no seu perfil. “Foi um desrespeito total comigo, com a minha família, com a instituição da Polícia Militar e com pessoas de ambas sexualidades, usando da própria sexualidade para me atingir. Não posso me calar”, completou.

View this post on Instagram

A post shared by Guilherme Ferreira FIT 🇧🇷 (@guiferreirafit)

Continua após a publicidade

Nesta sexta-feira (28), Guilherme postou uma foto do registro formal da denúncia feito junto à Ouvidoria da Polícia Militar. “Vamos à luta! Não vou me calar, jamais! Pela dignidade da pessoa humana!”, escreveu.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.