Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Secretário de Educação deixa o cargo para dar lugar a Chalita

Cesar Callegari pediu demissão nesta segunda (12) e será substituído pelo ex-deputado federal

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 12h54 - Publicado em 12 jan 2015, 17h00

O sociólogo e ex-deputado estadual Cesar Callegari pediu demissão do cargo de secretário municipal de Educação nesta segunda (12). No seu lugar, deve entrar o ex-deputado federal Gabriel Chalita (PMDB), que já aceitou o convite mais ainda não anunciado oficialmente.

Segundo a prefeitura, Callegari tomou a “decisão para deixar o prefeito inteiramente à vontade para promover as mudanças político-administrativas que sejam necessárias para a segunda e decisiva etapa de sua gestão”.

A ideia de colocar Chalita na pasta é do ex-presidente Lula, que vislumbra o futuro secretário como vice do prefeito Fernando Haddad (PT) na candidatura à reeleição em 2016. Caso seja viabilizada, a futura chapa neutralizaria, de uma tacada só, dois adversários fortes: Marta Suplicy (que não poderia sair candidata à prefeitura pelo PMDB, como se especula) e Paulo Skaf, outro pemedebista que pretende se lançar na disputa municipal do ano que vem.

Legado

Cesar Callegari deixa a administração sem ter executado grandes promessas de campanha de Haddad, como a criação de 150 000 vagas no ensino infantil e vinte CEUs nas periferias – desses, só um está em fase final de obras. O agora ex-secretário havia se desfiliado do PSB para compor a equipe do prefeito petista.

Ex-tucano, Chalita foi secretário de Educação do governador Geraldo Alckmin (PSDB) entre 2002 e 2006. Em 2012, já no PMDB, concorreu à prefeitura contra o próprio Haddad – a quem ofereceu apoio no segundo turno após ter ficado em quarto lugar na disputa, atrás de José Serra (PSDB) e Celso Russomanno (PRB).

No ano seguinte, foi bombardeado pelo Ministério Público Estadual, que abriu onze inquéritos para investigá-lo por enriquecimento ilícito e superfaturamente de contratos. Um ex-assessor de gabinete acusou-o de receber 50 milhões de reais em propina. Após as denúncias, Chalita sumiu do noticiário e optou por não concorrer à reeleição para deputado federal em 2014.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês