Continua após publicidade

Russomanno diz que pessoas aglomeradas nas periferias não contraem Covid

Dados da prefeitura, no entanto, apontam que risco de morrer pela doença é até 10 vezes maior em bairros com piores condições sociais

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Maio 2024, 17h20 - Publicado em 15 out 2020, 12h13

Em entrevista concedida ao SBT nesta quarta-feira (14), o candidato à prefeitura Celso Russomanno, do partido Republicanos, questionou o porquê de pessoas aglomeradas em pequenas moradias não contraírem a Covid-19. 

“A ciência precisa estudar muito ainda a Covid para entender por que onde existe aglomeração, onde as pessoas na periferia, por exemplo, estão aglomeradas em pequenas moradias com cinco, seis, dez pessoas, e não contraem a doença. Por que que os moradores de rua têm casos pontuais? E se alardeava que quando a Covid chegasse no Brasil, ela atacaria de pronto a Cracolândia e os moradores de rua. E isso não aconteceu”, disse o candidato na ocasião. 

No entanto, diferentemente da fala do candidato, a maioria de casos de Covid-19 se concentram em regiões com favelas, cortiços e conjuntos ou núcleos habitacionais. De acordo com dados da prefeitura de São Paulo, o risco de morrer pela doença é até 10 vezes maior em bairros com as piores condições sociais.

A declaração ocorre um dia depois de Russomanno afirmar que moradores de ruas são “mais resistentes do que a gente” à doença, “porque convivem o tempo todo nas ruas, não têm como tomar banho”.

Polêmica sobre moradores de rua

Russomanno afirmou que sua frase em relação aos moradores de rua terem maior resistência à Covid-19 foi tirada de contexto. “Foi tirado de toda a minha conversa uma parte dela para fazer sensacionalismo”.

Continua após a publicidade

“Eu disse que eles tinham dificuldade de tomar banho, eles não tinham estrutura nenhuma. Eles são 27 mil pessoas abandonadas no Centro da cidade sem o cuidado do poder público. O poder público não é presente”, explica o candidato. 

Ainda na entrevista ao SBT, ele rejeitou ter sido preconceituoso com sua fala. “Preconceituoso foi a forma com que os jornalistas tocaram no assunto, querendo desprezar aqueles que são famílias, que estão sem opção de vida nenhuma e que o poder público não está presente”.   

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.