Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Proposto há um ano, rodízio de 24h sem água pouparia 12,3% do Cantareira

Plano entregue em janeiro do ano passado, no início da crise hidríca, foi descartado pelo governo Alckmin 

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 12h51 - Publicado em 29 jan 2015, 12h47

 

Descartado pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) no início da crise hídrica, o plano de rodízio proposto há um ano pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), de 48 horas com água e 24 horas sem apenas para as regiões abastecidas pelo Sistema Cantareira, poderia ter resultado em uma economia de 120 bilhões de litros em 2014.

Marchinha da ‘Sereia da Cantareira’ faz sucesso na internet. Assista

A quantidade equivale a 12,3% da capacidade do manancial e supera a segunda cota do volume morto (105 bilhões de litros), que está sendo retirada pela empresa desde outubro.

O plano “Rodízio do Sistema Cantareira 2014”, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo em agosto, foi entregue em janeiro do ano passado pela Sabesp ao Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE), um dos órgãos reguladores do manancial.

Continua após a publicidade

Vídeo causa polêmica ao mostrar represa do Cantareira cheia

No documento, a companhia afirma que os reservatórios já sofriam com a seca em 2013, diz que “todas as estratégias” foram adotadas para “evitar” cortes no abastecimento e “constrangimento à população”, mas conclui que “o rodízio deve ser planejado em face da situação crítica de armazenamento nos mananciais”.

Procurada, a Sabesp informou que o plano foi elaborado antes da atual crise e durante o processo de renovação da outorga de uso do manancial, suspensa por causa da seca. Especialistas afirmam que o rodízio não seria a medida mais indicada no momento atual.

Na última terça-feira (27), o diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, afirmou que é possível chegar a um rodízio na região metropolitana de São Paulo e que esse racionamento teria que ser “drástico”. “Para ganhar mais do que já economizamos hoje, seriam necessários dois dias com água e cinco dias sem água”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês