Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Professores fazem protesto por mais vacinas após docente morrer de Covid

Manifestação em frente à Câmara Municipal foi organizada pelo sindicato dos servidores públicos da cidade

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 8 jun 2021, 14h55 - Publicado em 7 jun 2021, 16h01

O Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep) realizou nesta segunda-feira (7) um ato em frente à Câmara Municipal de São Paulo por conta da morte de uma professora da rede municipal por Covid-19. Os manifestantes também reivindicaram a vacinação geral da categoria.

“O Sindsep lamenta a perda de mais uma professora das redes municipal e estadual de ensino em São Paulo, vítima de Covid-19”, diz o sindicato, em nota divulgada nesta segunda.

Segundo a instituição, a professora Gisneide Tavares, de 43 anos, faleceu na última quarta-feira (2), por conta da Covid-19. Ela não tomou nenhuma dose de vacinas contra a doença e trabalhava presencialmente. A docente ensinava artes nas escolas EMEF Deputado Rogê Ferreira e da EE Prof. Candido Gonçalves Gomide.

Em nota, a prefeitura lamentou a morte de Gisneide e exaltou o trabalho de professores (confira íntegra da nota abaixo). Segundo a Secretaria Estadual de Educação, a vacinação dos professores da educação básica de 45 e 46 anos começa nesta quarta-feira (9), em todo o estado.

O Sindsep afirma que Gisneide “era alegre, gostava da vida, estava feliz com o casamento com Alessandro Ataide e amava seus alunos”. No ato desta segunda, organizado pelo Sindsep, os professores e funcionários da educação ligados à instituição exibiam placas e cartazes pedindo vacina para todos os professores da cidade e a “volta às aulas presenciais com segurança”.

LEIA TAMBÉM: Butantan recebe insumos para mais 10 milhões de doses até o fim do mês

Continua após a publicidade

O sindicato ainda informou que alunos e ex-alunos da EMEF Deputado Rogê prestaram homenagens à professora na porta da escola, com flores e cartaz com a palavra “luto” escrita em letras garrafais. “É preciso que o governo garanta vacinação para todos já, testagem em massa, auxílio emergencial decente e condições para o ensino remoto até que a pandemia esteja sob controle”, finaliza o Sindsep.

nota de pesar da sindsep
Nota, na íntegra, da Sindsep falando sobre a morte da professora da rede municipal Gisneide Tavares Divulgação/Divulgação

Confira íntegra da nota da prefeitura sobre o caso:

“A Prefeitura de São Paulo, por meio das Secretarias Municipais de Educação e de Saúde, lamentam a morte da professora e enaltecem o trabalho destes profissionais que educam, ensinam e auxiliam na formação do caráter das crianças da cidade de São Paulo e sãos solidários à família.

Secretaria Municipal da Educação (SME) esclarece que segue as orientações e protocolos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), com atendimento presencial de até 35% nas unidades, uso obrigatório de equipamentos de proteção e seguindo o decreto de Nº 60.058 de 27 de janeiro de 2021.

A SMS informa que até o momento na capital para os profissionais de educação, foram aplicadas 80.597 doses (1ª dose) e 51.585 (2ª dose).Na população em geral, até este domingo (6), foram aplicadas 5.296.727 doses, sendo 3.652.027 (1ª dose) e 1.644.700 (2ª dose).”

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade