Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Praça Princesa Isabel pode ser cercada após avanço de projeto na Câmara

Proposta apresentada por Fábio Riva (PSDB) prevê instalação de grades e, com isso, restrição de acesso

Por Clayton Freitas Atualizado em 9 jun 2022, 21h51 - Publicado em 10 jun 2022, 06h00

A estátua de bronze de Duque de Caxias montado em um cavalo, de Victor Brecheret, inaugurada em 1960 na Praça Princesa Isabel, poderá ganhar grades em breve. Na última terça- feira (7), vereadores da capital aprovaram, em primeira discussão, que a praça se torne um parque.

+ Projeto quer transformar agente penitenciário em policial penal

Se o projeto for aprovado em segunda votação, o que pode acontecer ainda neste mês de junho, todos os 16 600 metros quadrados da praça devem ser cercados e haverá controle de acesso, o que nunca ocorreu desde 19 de dezembro de 1921, quando ela foi criada, cinco dias após a morte da princesa da qual empresta o nome.

O texto teve tramitação rápida. Apresentado no início de maio deste ano pelo vereador Fábio Riva (PSDB), líder do governo, em meio às várias operações para dispersar os dependentes químicos da Cracolândia, ele já foi avaliado pelas comissões da Casa, passou por audiências públicas e tudo indica que logo será sancionado pelo prefeito, Ricardo Nunes (MDB). Mesmo assim, Riva nega que haja relação. “É uma demanda antiga dos moradores, ainda de 2019. Só não avançou em 2020 devido à pandemia”, diz.

Há quem não acredite muito nisso, como é o caso da vereadora Luana Alves (PSOL), integrante da oposição. “É uma solução simplista e higienista para um problema complexo. Eles sabem que não podem cercar uma praça, o que é possível com um parque”, afirma. Ela nega ser contrária à criação de um espaço de lazer, mas afirma existir outras opções de melhorias.

+ Dieese: São Paulo tem a cesta básica mais cara do país

Para Riva, a criação do parque permitirá cuidar melhor da vegetação, que é considerada patrimônio ambiental. Ele diz que a população decidirá o que deve ou não ser instalado no espaço e que a região não conta com nenhuma praça próxima.

Continua após a publicidade

Um abaixo-assinado com mais de 1 000 assinaturas foi anexado ao projeto. Quem angariou parte delas foi Iézio Silva, 62 anos, da Associação Pro Campos Elísios Melhor. “É algo que não será destinado apenas aos moradores daqui”, argumenta.

Para o arquiteto e urbanista Nabil Bonduki, o fechamento do local contraria a razão de ser de uma praça, que pressupõe um espaço aberto, de convivência e de fácil acesso.

Cachorródromo da Praça Princesa Isabel
Cachorródromo: reforma entregue em 2018 já reunia características de parque Divulgação/Divulgação

A Princesa Isabel já teve ares de parque, mesmo sem grades. Foi em 2018, quando recebeu área de piquenique, aparelhos de ginástica, playground e outros equipamentos, tudo degradado seis meses depois.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de junho de 2022, edição nº 2793

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês